Cristianismo oferece resposta universitária a uma cultura européia fragmentada

Síntese do Encontro Europeu de Professores Universitários

| 900 visitas

ROMA, sexta-feira, 6 de julho de 2007 (ZENIT.org).- O cristianismo pode conseguir uma síntese de valores e é capaz de unir os saberes, frente a uma cultura fragmentada e reducionista: é a constatação de Dom Lorenzo Leuzzi, diretor de Pastoral Universitária da diocese de Roma.



São declarações a Zenit do promotor do Encontro Europeu de Professores Universitários, celebrado em Roma, de 21 a 24 de junho, sobre o tema: «Um novo humanismo para a Europa. O papel da Universidade», graças ao apoio do Conselho das Conferências Episcopais da Europa, com o patronato do presidente da Itália e a colaboração de alguns ministérios do país e dicastérios vaticanos.

O encontro foi organizado no contexto das celebrações do 50º aniversário da assinatura dos Tratados de Roma. Inscreveram-se mais de 2.200 professores de 44 países.

Sintetizando os 47 encontros celebrados no seio do grande Encontro Universitário, e aprofundando neste encontro europeu de professores e reitores europeus, Dom Leuzzi reconheceu a Zenit o «notável êxito» da iniciativa, «não só pelo elevado número de participantes, mas também pela juventude dos docentes».

«Este fato nos confirma que os professores cristãos na universidade são jovens e têm o desejo de assumir a vida universitária como lugar de testemunho de seu compromisso», acrescenta.

No encontro com os reitores, relatou: «Surgiu de maneira forte a preocupação da carência de valores e conteúdos. O encontro serviu para dar confiança aos reitores, pois não basta só uma visão da universidade entendida como supermercado de saberes, mas é necessária uma presença que tenha em si uma dimensão e um compromisso formativo».

Dom Leuzzi recorda que, na homilia da Missa que presidiu na basílica vaticana -- em 23 de junho -- o cardeal Tarcisio Bertone -- secretário de Estado do Papa -- afirmou que «enquanto é difícil para os políticos encontrar unidade e com dificuldade encontram indicações para o futuro», os professores universitários reunidos em Roma «representam uma comunidade européia que se confirma unida e desejosa de caminhar assim».

Os testemunhos recolhidos durante o Encontro «mostram que o cristianismo tem a possibilidade de salvar a Europa -- sublinha Dom Leuzzi. O cristianismo é capaz de unir os saberes frente a uma cultura européia fragmentada e reducionista. O cristianismo pode trabalhar e favorecer a síntese dos conceitos de verdade, justiça e beleza do humanismo cristão».

Outro tema de grande importância «é a identidade da pessoa humana -- prossegue --, que pode ser compreendida e relançada em uma perspectiva antropológica que ajude a construir o futuro com esperança e serenidade, sem essa angústia que caracteriza o homem contemporâneo».

«Considero que sobre estas duas grandes questões, o humanismo cristão se propõe como capacidade conceitual de referência», sublinha o diretor de Pastoral Universitária de Roma.

Um ponto decisivo que afirma -- seguindo o Papa -- é que «o cristianismo pode oferecer ao homem contemporâneo a capacidade de enfrentar a questão antropológica sem medo, com o alívio do realismo da fé».

«O cristianismo não quer apresentar-se como uma genérica experiência religiosa feita de mitos, de símbolos e de sentimento -- aprofunda --, mas como uma experiência que ajuda o homem contemporâneo, através do realismo da fé», um realismo «que permite ao intelectual e ao homem em geral a capacidade de confrontar-se com a realidade sem fugas para adiante e sem nostalgia pelo passado».

Quanto às quatro áreas temáticas desenvolvidas nos 47 encontros (a pessoa humana, a cidade do homem, a visão das ciências, criatividade e memória), Dom Leuzzi insiste na convergência dos conhecimentos e no trabalho interdisciplinar, sobretudo no desejo de ajudar a pessoa a sentir-se partícipe na construção da comunidade européia.

Aludindo aos próximos passos, o diretor de Pastoral Universitária de Roma convidou as Conferências Episcopais a promover encontros nacionais de docentes universitários, e a começar a preparar o congresso do ano que vem, que envolverá professores de Filosofia em um tema querido para Bento XVI: «A ampliação da razão».

Neste contexto, Dom Leuzzi renovou a exortação a intensificar a rede européia dos docentes universitários e dos reitores para favorecer formas de colaboração entre os diversos centros.

«Penso que os professores de muitas universidades podem constituir uma base sólida para relançar a evangelização na Europa, mas também a casa comum européia», expressa.

Em 2008 se celebrará também -- recorda -- um congresso que retomará o chamado do cardeal Camillo Ruini a buscar uma solução à grave situação dos cristãos no Oriente Médio, implicando as universidades, a fim de favorecer a liberdade religiosa e um espaço de presença para todas as culturas, sobretudo nos países dessa região do planeta.