Cuba tem um plano provisório para a visita papal

Poderia coincidir com a festa da Encarnação

| 780 visitas

MIAMI, terça-feira 13 dezembro de 2011 (ZENIT.org) - Apesar do papa não ter  especificado as datas exatas de sua visita à Cuba o arcebispo de Santiago de Cuba, Dionisio García Ibáñez, declarou em uma entrevista que já preparou um cronograma preliminar .

"Gostaríamos de que no El Cobre tivesse uma celebração mariana e o encontro com os bispos cubanos junto da Mãe” no santuário, indicou. Também prepara-se uma Eucaristia em Santiago de Cuba em presença da imagem.

Em 1998 João Paulo II presidiu uma Missa campal na praça Antonio Maceo. Desta vez, poderia ser organizado do outro lado da mesma praça. Os planos para toda a estadia Papal serão concretizados com a visita, em meados de dezembro, do enviado do Vaticano.

O Papa Bento XVI confirmou a sua anunciada visita, nesta segunda-feira 12 de dezembro, durante a missa na Basílica de São Pedro, na festa de Nossa Senhora de Guadalupe. Calculando as datas do início da primavera e do começo da Páscoa a mídia previu que a visita aos dois países seria entre o 23 e o 29 de março. Não houve confirmação oficial.

Em conversas informais os bispos cubanos já haviam manifestado sua esperança de que a visita a Cuba coincidisse com a data da Encarnação do Verbo, 25 de março. Nesta festa, "Maria tem um lugar, mas Jesus é o centro", afirmou o bispo de Holguin, Emilio Aranguren, recordando o tema do Jubileu: A Jesus por Maria: a caridade nos une.

Durante o processo de preparação para o 400 º aniversário, a Igreja cubana insiste no sentido bíblico de um jubileu, no qual as dívidas são perdoadas e libertados os prisioneiros. A visita de Bento XVI poderia resultar num gesto de clemência por parte do governo cubano, a grupos de prisioneiros, como mulheres ou pessoas doentes.

 Após a visita de João Paulo II em 1998, o governo cubano proclamou o feriado do Dia de Natal. Agora, com esta visita papal, perto da Páscoa, poderia dar-se outro gesto pelo governo, dado que a Sexta-feira Santa foi, no passado, uma data de feriado e não laboral.

 Há também certa expectativa de que a visita papal poderia dar um novo impulso ao processo de beatificação e canonização do Servo de Deus Félix Varela y Morales. Seu nome aparece com freqüência nos discursos papais relacionados com Cuba. Um exemplo é a carta de Bento XVI aos bispos de Cuba no 2008 pelo Cardeal Tarcisio Bertone, na qual lembrava que a proclamação "do Evangelho chegou há cinco séculos e cujos valores tiveram grande influência no nascimento da nação, através principalmente do trabalho do Servo de Deus Félix Varela".

Esta visita de Bento XVI não é uma surpresa para a Igreja cubana que já tem três anos se preparando para o Ano Jubilar Mariano.

O primeiro convite para o Papa visitar Cuba como parte do Ano Jubilar foi feito pelos bispos em visita ad limina de 2008. Levaram para ele uma réplica da imagem do heremitério do Cayo de la Virgen que o  Papa abençoou e tiraram uma foto com o papa e com a imagem.

Como parte das etapas preparatórias deram-se passos na execução de vários templos: o projeto do heremitério no Cayo de la Virgen aguarda a aprovação para iniciar sua execução e a construção do templo de Barajagua já está avançada. Também foram feitas melhorias no santuário do El Cobre e se estabeleceu uma rota de peregrinos sob o nome "El Camino de la Virgen", com vários "passos" pelos lugares que percorreu a imagem original, após a sua descoberta em 1612, até sua chegada ao santuário atual, localizado a cerca de quinze quilômetros de Santiago de Cuba.

Estes dez quilômetros serão os que possivelmente percorrerá o comboio do papa por estrada para visita de Bento XVI para El Cobre de Santiago como peregrino da Caridade.

Monsenhor Garcia Ibanez indicou que na sua arquidiocese já foram feitos os contatos necessários com as autoridades provinciais “e estão muito dispostos a colaborar pelo sucesso da visita”.

 A Igreja em Santiago estabeleceu uma comissão diocesana ", composto, quase metade metade, por pessoas que tiveram responsabilidades na visita de João Paulo II e pelos jóvens comprometidos que têm responsabilidades na partoral diocesana”, disse o bispo. “Já temos um esboço do que queremos e estamos esperando", acrescentou.
Por Araceli Cantero Guibert