Da esterilidade vocacional à castidade frutífera

Exortação do papa Francisco às superioras gerais evoca as palavras de São Jerônimo em sua carta sobre a virgindade

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) | 653 visitas

Em seu discurso às religiosas participantes da Assembleia Plenária da União Internacional das Superioras Gerais, o papa Francisco as instou a viver uma "castidade frutífera", que gere filhos espirituais na Igreja. “A religiosa consagrada é mãe, deve ser mãe e não ‘tia’! Desculpem-me por falar assim, mas é importante essa maternidade da vida consagrada, essa fecundidade! Esta alegria da fecundidade espiritual deve animar a sua existência. Sejam mães, sejam a figura de Maria Mãe e da Igreja Mãe. Não podemos entender Maria sem a sua maternidade, nem a Igreja sem a sua maternidade. E vocês são ícones de Maria e da Igreja”.

A exortação do papa lembra o que São Jerônimo identificou, no ano de 383, em sua XXII Carta sobre a Virgindade, como causa da "esterilidade vocacional", indicando também as maneiras de superá-la:

"Se entre as tuas companheiras há algumas de condição servil, não as menosprezes, não te portes como patroa. Não pertenceis todas ao mesmo Esposo? Não cantais em coro os salmos a Cristo? Não comeis juntas do seu Corpo? Por que, então, vos sentais em mesas diferentes? Em vez disto, suscitai novas vocações! É uma honra para as virgens atraírem outras companheiras para a sua vida".