Dar a conhecer o Concílio Vaticano II para as novas gerações

Meio século da abertura do concílio: o Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais apresenta documentário

| 1445 visitas

Daniel Trenca

ROMA, segunda-feira, 8 de outubro de 2012 (ZENIT.org) - Foi realizada na última quarta-feira, 3 de outubro, no Palazzo San Carlo, no Vaticano, a exibição do documentário Concílio Vaticano II, filme cuja distribuição está prevista para 11 de outubro, exatamente na data dos 50 anos da abertura do concílio, que foi o vigésimo primeiro da história da Igreja e aconteceu 92 anos após o concílio precedente.

"Era nosso desejo”, disse o presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, dom Claudio Maria Celli, “divulgar grande quantidade de material do nosso arquivo. A filmografia do Vaticano disponibilizou mais de 200 horas de imagens, documentos em sua maioria inéditos. Um produto projetado principalmente para as gerações mais jovens, que, certamente, já ouviram falar do concílio, mas, provavelmente, nunca viram nada deste grande evento do passado".

O filme não é apenas uma colagem de imagens, porque o Vaticano II não é apenas um momento da história, mas, como sempre acontece na Igreja, é uma história viva, que inspira a nossa jornada de hoje. O vídeo mostra os momentos mais significativos, desde o contexto histórico até a preparação da Basílica de São Pedro, transformada na grande sede do evento.

"Nós produzimos o documentário”, prosseguiu dom Celli, “fazendo com que o concílio continuasse a inspirar a nossa jornada de homens e de cristãos de hoje. No arquivo, também encontramos a intervenção no sínodo feita por Karol Wojtyla, arcebispo de Cracóvia. Dá uma certa emoção voltar a escutar a sua voz ao fazer o seu discurso em latim. É impensável o caminho da Igreja nos últimos 50 anos sem o concílio Vaticano II, mas também percebemos o quanto o concílio nos ajuda até hoje".

Em 11 de outubro, o filme será transmitido pela RAI para comemorar o meio século da abertura do concílio. Ele foi filmado em full HD dentro de um conjunto de lugares dos mais importantes da Cidade do Vaticano: o Arquivo Secreto, a Biblioteca Apostólica, a Basílica de São Pedro, a Pinacoteca, a Capela Sistina, as Salas de Rafael e as Grutas Vaticanas.

Testemunhos excelentes de cardeais, patriarcas e arcebispos da época tornam o filme único, investigando a fundo as questões abordadas pelo concílio. "A nossa tarefa era fornecer uma forma comunicativa ao anúncio do concílio Vaticano II", foram as palavras de Erminio Fragassa, presidente da Micromegas Comunicazione, agência que realizou a produção.

"O foco do papa Paulo VI na Igreja foi: o que ela diz sobre você?”, continuou Celli. “Esta é uma consciência profunda, que ainda hoje tem o seu significado de inspiração. A intuição do concílio, sentida pelo papa João XXIII, tem ajudado os homens a confiar e a sonhar, apesar das dificuldades do tempo presente, que não são apenas econômicas e financeiras, mas antropológicas. Eu acredito que, mergulhando no espírito do concílio, podemos aprender ou continuar a esperar e a sonhar".

(Trad.ZENIT)