Das choças etíopes para o ouro olímpico

Meseret Dafar: a história de uma etíope campeã na vida

| 1062 visitas

Antonio Gaspari

ROMA, segunda-feira, 13 de agosto de 2012 (ZENIT.org) - Gerou grande celeuma a vitória nos cinco mil metros de Meseret Defar, medalha de ouro olímpica em Londres.

A etíope Defar é uma campeã. Não é a primeira vez que ela ganha os 5000 metros batendo todas as concorrentes. O que mais surpreendeu desta vez foi o ícone de Maria que ela puxou de sob a camisa e mostrou ao mundo em meio às lágrimas.

Meseret Defar já tinha um título olímpico, dos Jogos de Atenas 2004, e um bronze de quatro anos antes, na mesma distância. Ainda nos 5000 metros, ela conquistou uma medalha de ouro nos jogos mundiais de Osaka 2007, uma prata em Helsinque 2005 e um bronze em Berlim 2009. Na distância de 3000 metros, ganhou quatro medalhas de ouro nos jogos mundiais indoor.

Ela deteve durante um ano o recorde mundial dos 5000 metros com o tempo de 14'16"63, obtido em 2007 nos Bislett Games de Oslo. Atualmente, detém o recorde mundial indoor dos 3000 metros e dos 5000 metros.

O mais surpreendente, porém, são a sua história e as suas atividades beneficentes.

Defar nasceu em uma choça de barro. Cresceu seguindo as instruções da mãe, que a mandava atrás de lenha no bosque e de água no poço. Estava sempre a correr descalça, porque os pais não tinham dinheiro para comprar sapatos. A mãe tinha muitas dúvidas quanto ao seu desejo de se tornar atleta.

Defar não se esqueceu das suas origens. É por isso que ela decidiu ajudar os necessitados. Tem certeza de que doar a quem tem menos é obrigação dos que têm mais. Declarou que nunca se esquecerá do que é ser pobre e que procurará fazer sempre o melhor para ajudar aqueles que estão em necessidade.

Além de fazer doações para orfanatos locais, a atleta etíope é uma das principais apoiadoras do projeto Abebe Bikila. Ela coleciona material esportivo do todo o mundo para doar ao grupo.

Defar e o marido, Tewodros Hailu, adotaram duas meninas, Nesanet e Nerat. Nesanet sofre de uma doença cardíaca. Os pais adotivos assumiram o compromisso de operá-la e cuidá-la da melhor maneira possível.

"Eu amo as crianças", afirma Defar, e "quero ajudar todas as crianças carentes que não têm a oportunidade de realizar os seus sonhos. Estou satisfeita por poder ajudá-las".

A atleta viveem Addis Abeba, na Etiópia, junto com o marido, as filhas adotivas, o pai Tolla, a mãe Asther e os cinco entre irmãos e irmãs.

(Trad.ZENIT)