Decisões sobre o livro "Jesus. Aproximação histórica" de José Antonio Pagola

Nota da Conferência Episcopal espanhola

Madri, (Zenit.org) | 2396 visitas

O senhor bispo de San Sebastián recebeu uma carta da Congregação para a Doutrina da Fé, do passado dia 19 de fevereiro, com a qual termina uma troca epistolar e verbal de vários anos, dele e do seu predecessor, com a Congregação, sobre a obra de D. José Antonio Pagola intitulada “Jesus. Aproximação histórica.” A pedido do Senhor Bispo, e com a aprovação da Congregação, informamos sobre o estado da questão e sobre seus antecedentes mais notáveis.

1. Tal obra, publicada em 2007, suscitou várias e qualificadas queixas sobre a sua idoneidade como apresentação de Jesus de acordo com a fé católica. Seguindo as instruções da Congregação para a Doutrina da Fé, a Comissão Doutrinal da Conferência Episcopal Espanhola, após cuidadoso estudo, preparou uma "Nota de esclarecimento sobre o livro de José Antonio Pagola, Jesus. Aproximação histórica", de 8 de junho de 2008, publicado com a autorização da Comissão Permanente. Essa nota, referindo-se à primeira versão do livro, que já teve milhares de vendas, continua plenamente válida.

2. O autor, ao falar com o seu bispo, escreveu uma segunda versão da obra, para a qual o Ordinário de San Sebastián anunciou, em junho de 2008, que contava com o seu imprimatur. No entanto, a Congregação para a Doutrina da Fé solicitou que a Conferência Episcopal Espanhola revisasse também esta segunda versão. A pedido do senhor bispo de San Sebastián, foi finalmente a mesma Congregação que assumiu a revisão, com o resultado seguinte: "as alterações introduzidas pelo autor representam uma melhoria do texto, que, no entanto, não são suficientes para resolver os problemas de fundo presentes na mesma. Tais problemas foram identificados no seu devido tempo pela Nota de esclarecimento que sobre a primeira edição publicou a Comissão Doutrinal da Conferência Episcopal Espanhola. Portanto, não parece oportuno que se conceda o imprimatur à nova versão do livro “Jesus. Aproximação histórica” (Carta do Prefeito da Congregação, 14 de maio de 2010, ao Presidente da Conferência Episcopal).

3. A congregação continuou o estudo da obra e na sua sessão ordinária do 19 de outubro de 2011 determinou o seguinte, comunicado por carta ao Presidente da Conferência Episcopal pelo Cardeal Prefeito: o livro, "embora não contendo proposições diretamente contrárias à fé, é perigoso por causa de suas omissões e sua ambigüidade. Sua abordagem metodológica deve ser considerada errônea, porque, separando o “Jesus histórico”, do “Cristo da fé”, na sua reconstrução histórica elimina preconcebidamente tudo o que vai além de uma apresentação de Jesus como “profeta do Reino”.

" A congregação, então, pedia ao novo bispo de San Sebastián para promover uma conversa com o autor, juntamente com peritos da Comissão Doutrinal da Conferência Episcopal, a fim de rever o trabalho e apresentar uma explicação por escrito.

4. Na carta do passado 19 de fevereiro, mencionada acima, a Congregação escreve para o bispo de San Sebastián, que o autor respondeu satisfatoriamente às observações feitas pela Congregação e que ele deve ser exortado a colocar em futuras edições da obra, à qual, no entanto, não pode ser dado o imprimatur. 

(Tradução do original espanhol que se encontra em: http://www.conferenciaepiscopal.es/index.php/notas/2013/3449-decisiones-sobre-el-libro-jesus-aproximacion-historica-de-d-jose-antonio-pagola.html)