Denver lamenta o atentado

Arcebispo Dom Aquila fala sobre cuidado pastoral: Perdão à Luz da Tragédia

| 902 visitas

Por Ann Schneible

DENVER, Colorado, quarta-feira, 25 de julho de 2012 (ZENITorg) -. O tiroteio que ocorreu em Aurora, Colorado, na última sexta-feira levanta questões sobre a natureza do bem e do mal, e o perdão, diz o novo arcebispo de Denver, Samuel Aquila.

Doze pessoas foram mortas e 58 ficaram feridas na sexta-feira, quando um homem entrou atirando durante a exibição do último filme de Batman na sessão da meia-noite. Foi o pior tiroteio do Colorado desde o ocorrido na Columbine High School em 1999 onde 12 alunos e um professor foram mortos por dois adolescentes armados.

Recentemente nomeado prelado de Denver, o arcebispo Aquila, conversou com ZENIT sobre a tragédia.

ZENIT: Este terrível crime ocorreu na mesma área metropolitana de outro crime semelhante, o tiroteio de Columbine. Poderia falar sobre o impacto que isso teve na comunidade?

Dom Aquila: O tiroteio que aconteceu na sexta-feira foi um ato maléfico- um ato de verdadeira violência. Nossa comunidade está chocada e triste pelo acontecido. Como comunidade, levanta questões sobre o bem e o mal, e a batalha espiritual e moral entre o bem e o mal. Mesmo em meio ao caos e ao mal daquela manhã, existem histórias de heróis que no meio do tiroteio tentaram proteger os amigos e entes queridos jogando-se em cima deles. Pela graça de Deus, o povo de Aurora e do Colorado tem respondido com grande amor, com caridade e misericórdia para com os feridos e as famílias que perderam seus entes queridos. Existe um sentido de unidade em nosso estado, e isso é realmente uma graça.

ZENIT: O perdão é uma virtude extremamente difícil de viver à luz de tais crimes, especialmente logo após terem acontecido. Que tipo de orientação o senhor pode dar para aqueles que foram afetados por este crime para ajudar a levá-los ao perdão?

Dom Aquila: O autor deste ato cometeu um grave ato de maldade. Ele deve ser tratado de acordo com o nosso processo civil. A nível humano a resposta é raiva e talvez até mesmo vingança. Mas lembro-me do perdão pessoal que João Paulo II ofereceu a Mehmet Ali Agca. E, claro, lembro-me do perdão que Jesus Cristo oferece a cada um de nós desde a cruz onde Ele experimentou uma morte violenta.

Não é fácil perdoar assim, mas a graça de nosso batismo nos permite amar com o amor divino. Nosso Senhor nos dá uma orientação clara sobre o perdão em Mateus 6:14: "Pois, se perdoardes aos homens os seus delitos, também o vosso Pai celeste vos perdoará" Embora possa levar algum tempo para perdoar, a única maneira de ser curado e curar a ferida é com o perdão.

Eu rezo para que quem cometeu determinado ato mal encontre Jesus Cristo - e espero que outros se juntem a mim nessa oração.

ZENIT: Que tipo de apoio a diocese oferece às vítimas e suas famílias e entes queridos?

Dom Aquila: sacerdotes e diáconos da Arquidiocese de Denver oferecem serviço pastoral em hospitais, casas e igrejas para as pessoas envolvidas na tragédia. Eu fui abençoado em encontrar com as famílias das vítimas, pessoas que estão realmente sofrendo. Rezo para que possamos trazer Jesus Cristo para eles.

O Regina Caeli of Catholic Charities disponibiliza serviços de aconselhamento para quem precisa.

Nós oferecemos missas públicas e vigílias de oração. Teremos alguns funerais. E o mais importante, oferecemos nossas orações, nossa solidariedade, e a presença da comunidade no momento em que a presença de Cristo é extremamente necessária.

ZENIT: Que mensagem o senhor gostaria de transmitir para as vítimas e suas famílias?

Dom Aquila: Esses tipos de eventos são dolorosos para nós, porque são sem sentido - eles minam nossas crenças sobre a estabilidade, justiça e segurança. Eles parecem ser mortes sem sentido. Eu entendo esta dor, esta tristeza. Tenho pensado muitas vezes sobre o significado do nosso sofrimento - e eu sei que em nosso sofrimento, nos configuramos mais à Jesus Cristo. Nosso sofrimento é uma oportunidade de conhecermos mais a Deus. E podemos também lembrar que o próprio Cristo sofreu uma morte violenta e era inocente.

Maria permaneceu ao pé da Cruz e experimentou a perda de seu filho, e está com todos os pais que experimentaram a perda de um filho por uma morte violenta, inesperada. Como cristãos, sabemos pela fé, que a morte e o pecado são vencidos na ressurreição de Cristo, podemos confiar os nossos falecidos a Cristo, sabendo que eles podem viver eternamente nEle. O Pai não permitiu que a morte e o pecado vencessem o seu Filho, Ele destruiu a morte e revelou a vida eterna na Ressurreição de Jesus. A morte não é forte o suficiente para separar-nos do Deus que é amor.

(Tradução:MEM)