"Desafios decisivos" aguardam novo patriarca

Declarações do bispo egípcio Kyrillos William Samaan

Roma, (Zenit.org) | 881 visitas

"Prudência, sabedoria e coragem". Para o bispo de Assiut, no Egito, dom Kyrillos William Samaan, estas são as qualidades mais esperadas do novo patriarca copta católico, que foi eleito em 15 de janeiro.

O prelado egípcio, que é administrador patriarcal dos coptas católicos desde fevereiro por causa dos graves problemas de saúde do cardeal Antonios Naguib, comenta em conversa com a Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) a eleição do novo patriarca de Alexandria dos Coptas, Ibrahim Isaac Sidrak. "Estamos testemunhando hoje a islamização do nosso país. Sua Beatitude enfrentará desafios decisivos e gerirá uma situação complicada e nada clara".

O bispo de Assiut não esconde a ansiedade quanto ao destino do Egito, aumentada com a aprovação da nova constituição. Unindo-se às críticas dos bispos de Luxor, dom Joannes Zakaria, e de Gizé, dom Antonios Aziz Mina, William Samaan define o texto como “um ataque aos direitos humanos, que preserva somente as prerrogativas dos extremistas muçulmanos”.

"Nós esperávamos uma constituição que representasse todos os cidadãos”, diz ele à AIS. “Mas a orientação religiosa da nova constituição estabelece as bases para um califado islâmico".

Várias cláusulas se referem à conformidade com a lei islâmica. A constante referência à sharia, segundo o bispo, invalida a credibilidade do artigo 3º, que garante a igualdade de direitos entre cristãos, judeus e muçulmanos. "Construir igrejas já era difícil nos tempos de Mubarak. Agora vai ser pior ainda. Mesmo assim, a nossa situação não é tão grave quanto a de xiítas, bahai, budistas e outros grupos religiosos que nem sequer são reconhecidos pela constituição".

A condição das mulheres também preocupa a Igreja católica. Teme-se a imposição do véu também às não-muçulmanas e a legitimação de casamentos com meninas pré-adolescentes. Um artigo da nova constituição permite que as mulheres "sexualmente maduras" se casem, o que autorizaria tais uniões.

“A tarefa do novo patriarca da Igreja copta católica não é nada simples", diz dom William, “mas não vai faltar o nosso apoio nem as nossas orações".

Apoio especial vem também do responsável no Egito pela fundação Ajuda à Igreja que Sofre, padre Andrzej Halemba, que trabalhou durante muito tempo com Sidrak quando ele era bispo de Minya. "Ele é um visionário, um bispo dinâmico, tem grande capacidade de organização. Muito comprometido com a sua diocese, tanto na construção de novas igrejas quanto na realização de projetos sociais, como as ajudas para as meninas abandonadas".