Desafios do músico católico

Entrevista com Augusto Cezar, um dos fundadores da banda DOM

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 1694 visitas

Quais os maiores desafios do músico católico? Quais as principais características do serviço musical ministerial? De que forma o músico pode fazer do exercício dos seus dons um caminho de santidade para si e toda a Igreja? São algumas das perguntas que Augusto Cezar responde no seu livro “Quem canta reza duas vezes”, lançado sábado passado, 16 de março, no Mosteiro de São Bento, em São Paulo.

Augusto Cezar nasceu em 1970, no Rio de Janeiro, com uma deficiência física, e é filho e neto de músicos. Graduou-se em música, com habilitação em violão clássico, pela UFRJ. Em 1999, formou, com Fred Pacheco e Filipe Freire, o trio DOM (Deo Optimum Maximum, em português: “Para Deus o máximo”) , grupo musical que, ao longo de mais de uma década, gravou 4 CDs e 1 DVD. Casado com Aline, é compositor da música O céu em você e autor do livro Dentro de mim mora uma canção.

Em exclusiva, Augusto Cezar concedeu-nos uma entrevista sobre a sua mais recente obra: “Quem canta reza duas vezes”. Acompanhe-a a seguir:

ZENIT: Por que você acredita na música como forma de contemplação?

Augusto Cezar: São João da Cruz diz que a contemplação é a "linguagem calada do Amor". A música possibilita a experiência de enxergar o transcendente no cotidiano. Calarmos aquilo que nos distrai para ouvirmos o que nos é essencial. Ao mergulharmos na dimensão poética da música; onde todo ativismo e toda preocupação instrumentalista do nosso dia a dia não pode nos alcançar, voltamos todo nosso ser: corpo, alma e coração para aquilo que nos é essencial e que mora dentro de nós. Não se trata de fuga, mas de uma necessidade de fazer respirar o que de nós fica escravizado pelo temporal e material.

 ZENIT: Como surge a inspiração num músico católico?

Augusto Cezar: A inspiração do músico católico é tudo o que participa da sua vida interior em Cristo. Suas aspirações e desejos, medos e fracassos, sons e silêncios do seu coração. A vida de oração, a frequência aos sacramentos, a experiência da vida em comunidade (Igreja), a escuta da palavra e a reta intenção de servir são pré-requisitos fundamentais para alimentar de inspirações e horizonte todo músico cristão.

 ZENIT: Qual a importância da formação teológica do músico e compositor para poder evangelizar?

Augusto Cezar: A formação teológica ao mesmo tempo em que capacita para uma adequada missão evangelizadora em uníssono com os ensinamentos da igreja também aprofunda no músico as questões fundamentais para qualquer católico.

 ZENIT: Por que a arte musical pode tocar as pessoas e ajudar na sua conversão?

Augusto Cezar: A música, como toda forma de arte, é expressão de beleza. Toda beleza de alguma forma aponta para o Verdadeiramente Belo. A música, nas suas características específicas expressa de forma particular a beleza de Deus. Nos detalhes de uma canção podemos escutar a voz Daquele que nos criou.  Um grande maestro, Ricardo Muti diz: Deus mora nos detalhes.

ZENIT: Você saberia dizer se Jesus ou os apóstolos cantaram para evangelizar? O que significa para você o "quem canta reza duas vezes"?

Augusto Cezar: Os salmos são canções e fazem parte da tradição judaica. Desde os tempos mais antigos a Igreja abriu espaço para esta forma de expressão. Santo Agostinho cita em suas confissões o impacto dos cânticos que ouvira em Milão, na época de Santo Ambrósio (santo este a quem é atribuído uma forma chamada "canto ambrosiano"): Eis que redobrava minhas lágrimas ao ouvir teus cânticos...

A expressão "Quem Canta Reza Duas Vezes" (que em latim originalmente é "Qui bene cantat, bis ora" - quem canta bem, reza duas vezes), eu penso que se refere a cantar com os lábios e com a vida. Integrando em todas as dimensões do meu ser um louvor ao Cristo Ressuscitado.

 ZENIT: Qual a mensagem que quis passar com esse seu último livro?

Augusto Cezar: Este livro é uma partilha. Mesmo as citações de Santo Agostinho não pretendem ter um tom professoral. O bispo de Hipona mesmo afirma: na escola do Senhor somos todos condiscípulos. Nesta partilha quis oferecer algo que me é próximo, um olhar sobre  a espiritualidade do músico católico, daquele que entrega em serviço seus dons, não em proveito ou prazer pessoal, mas para edificação da Igreja. Por isso, a presença deste santo que é um marco no pensamento da história da humanidade, mesmo para os que não são católicos. Ele mesmo nos deixou a verdadeira dimensão de todo fazer ministerial: Pouco importa quanto fazes e sim o quanto amas!