Deveres religiosos não podem ser feitos apenas por hábito, diz cardeal

Dom Geraldo Majella Agnelo destaca presença do Espírito Santo na Igreja

| 909 visitas

Por Alexandre Ribeiro

SALVADOR, quarta-feira, 14 de maio de 2008 (ZENIT.org).- A presença do Espírito Santo na Igreja indica que os deveres religiosos não podem ser «feitos por constrangimento, por temor ou por hábito», «mas por íntima convicção e quase por atração, porque Deus é Pai e não patrão»; afirma o cardeal Geraldo Majella Agnelo.

O arcebispo de Salvador (Brasil) afirma, em artigo enviado a Zenit essa terça-feira, que a fé «nos deve levar ao conhecimento daquele em quem acreditamos».

«O Evangelho é Cristo, uma pessoa. A adesão da fé se faz a uma pessoa. Não é conhecimento teórico, mas prática de nova vida. Uma transformação que traz como conseqüência o relacionamento caridoso com os outros, necessidade e força de testemunhar.»

De acordo com o arcebispo, tudo faz parte da nova vida. «Naturalmente o amor das Escrituras, a oração e os sacramentos devem ser nosso pão de cada dia e não práticas piedosas genéricas. Assim a vida decorrerá na calma, na confiança, na alegria e na paz.»

Dom Geraldo Agnelo considera que muitos cristãos «fazem o transcurso de sua vida apenas com pão material, sem alegria, sem entusiasmo».

Mas, na verdade, eles poderiam «ter cada dia, espiritualmente falando, todo o bem de Deus: a certeza do amor de Deus, a coragem que dá a sua palavra, a alegria que vem da experiência do Espírito e da comunhão com os irmãos, tudo retomado e oferecido a nós concretamente no banquete da Eucaristia».

O segredo para experimentar este novo Pentecostes, segundo o arcebispo de Salvador, chama-se «desejo».

«É a centelha que acende o motor do Espírito Santo em nós. Jesus prometeu: “Se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas a vossos filhos, quanto mais o vosso Pai celeste dará o Espírito Santo àqueles  que lhe suplicam”.»

«“Espírito de Deus, enviai dos céus um raio de luz! Vinde, Pai dos pobres, dai aos nossos corações os vossos sete dons!”», escreve o cardeal.