Dia de reflexão e adoração para o Sínodo dos Bispos

Antes que a assembléia passe a tomar as decisões

| 723 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 17 de outubro de 2005 (ZENIT.org).- O Sínodo dos Bispos viveu esta segunda-feira um dia de reflexão e adoração à Eucaristia, preparando-se assim para tomar as decisões para as quais foi convocado por João Paulo II e depois por Bento XVI.



Na manhã não se celebrou a congregação geral para permitir que o relator geral, o cardeal Angelo Scola, patriarca de Veneza, junto com o secretário especial, Dom Roland Minnerath, arcebispo de Dijón (França), e os relatores dos grupos de trabalho por idiomas, terminassem de redigir as «proposições». Esta lista será analisada depois entre a terça-feira e a quarta-feira por grupos de trabalho para ser submetida a possíveis emendas.

A versão final das «proposições» será apresentada na sexta-feira. No sábado, será votada por cada um dos padres sinodais, que deverão pronunciar-se com um «placet» ou «non placet».

As proposições votadas pela assembléia se converterão na base para que o Papa possa redigir a exortação apostólica pós-sinodal, documento no qual se deverão recolher as conclusões do Sínodo, cuja redação costuma requerer ao menos um ano.

Dado que este Sínodo tem por tema «A Eucaristia, fonte e cume da vida e da missão da Igreja», Bento XVI aceitou a proposta de seus participantes de unir-se na tarde desta segunda-feira em uma hora eucarística na Basílica de São Pedro, no Vaticano.

A adoração aconteceu alternando momentos de oração e de canto, de proclamação da Palavra de Deus, de confissão de fé e de ação de graças, com momentos de silêncio para favorecer a contemplação e o louvor.

O ato foi presidido pelo cardeal Francis Arinze, presidente delegado desta assembléia geral do Sínodo e prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos.

O canto de adoração, «Adoro te devote», foi alternado com frases do Evangelho em vários idiomas. Em árabe, o texto foi lido pelo patriarca caldeu de Bagdá, Sua Beatitude Emmanuel III Delly, e em hindi pelo cardeal Telesphore Placidus Toppo, arcebispo de Ranchi (Índia).

Bento XVI não tomou a palavra, mas participou do ato de adoração e meditação junto ao restante da assembléia.