Do Sínodo emerge uma Igreja viva e confiante no futuro

Cardeal Betori, apresentou aos jornalistas, juntamente com o nomeado cardeal Dom Tagle e o arcebispo Carrè, a mensagem final do Sínodo dos Bispos

| 1337 visitas

Salvatore Cernuzio

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 26 de outubro de 2012 (ZENIT.org) - Uma mensagem de comunhão que reflete uma Igreja viva, pronta para enfrentar os desafios e problemas do nosso tempo. Assim, o Cardeal Giuseppe Betori, arcebispo de Florença, apresentou hoje pela manhã na Santa Sé, a mensagem final do Sínodo sobre a Nova Evangelização, com o arcebispo de Manila, Mons. Luis Antonio Tagle, rescentemente nomeado cardeal pelo Papa e o arcebispo de Montpellier, secretário-geral do Sínodo, o arcebispo Pierre Marie Carré.

O documento disse Betori, é o resultado de um processo de comunhão entre todos os 262 bispos presentes da assembléia sinodal, que não prevê, portanto, qualquer dialética, ou divisão. "Os procedimentos democráticos se dividem criando uma maioria e uma minoria - disse - a Igreja segue procedimentos de comunhão que não causam rupturas, mas dão voz a todos”.

O texto foi elaborado nos últimos dias por uma comissão presidida pelo cardeal, assessorado pelo vice-presidente Dom Tagle e Dom Carré, que estavam juntos na conferência de imprensa de hoje respondendo a perguntas de jornalistas que abordaram a eficácia e o comprimento da mensagem.

Um jornalista, de fato, comentou durante a conferência que o Nuntius (nome em latim para o texto da reunião) é muito longo para realmente ser lido pelo "povo de Deus" a que se dirige. Betori respondeu revelando que inicialmente tinha proposto um documento de 3 ou 4 páginas. No entanto, o número e a preciosidade das intervenções, bem como o argumento "que fala sobre a missão da Igreja como tal", obrigou a comissão a estender a sua redação.

Em relação à linguagem utilizada, o arcebispo destacou que é mais uma "linguagem bíblica do que teológica”. Algumas questões, como a "salvação da alma" ou a "piedade popular", que parecem não mencionadas no texto, estão sendo abordadas através de expressões equivalentes, e, portanto, estão presentes.

Em particular, o cardeal Betori apontou que o aspecto que emerge da mensagem é que "a Igreja está viva”. Amplamente demonstrado pelas intervenções dos bispos e, de forma mais concreta pelos auditores, por isso a frase "não por acaso foi adicionada entre a primeira e segunda versão da mensagem final do Sínodo”.

"Não devemos aceitar uma visão catastrófica da Igreja", insistiu o arcebispo de Florença. Na verdade, com "esta consciência de uma Igreja viva, que tem grandes experiências que devem ser mais comunicadas, mais partilhadas", reiteramos o seu otimismo para o futuro. "Existem desafios, problemas diante de nós - afirmou-, mas estes são oportunidades para a Igreja, para evangelizar. Este foi um refrão constante nas intervenções dos bispos, eu diria que quanto mais difíceis as situações apresentadas pelos bispos, mais encorajador era o olhar com que se colocavam diante do futuro da Igreja”.

Para aqueles que perguntaram se a mensagem não excedeu em otimismo, especialmente depois de escândalos como o abuso sexual, o cardeal respondeu que na passagem dedicada à "fraqueza dos discípulos de Jesus" e à necessidade de conversão, estes problemas são "claramente indicados".

Nesta linha, um jornalista perguntou por que o documento não foi um apelo aos cristãos que deixaram a Igreja por causa dos escândalos. Betori respondeu que o problema do abandono estava bem presente para os Padres sinodais, mas este pode ter várias motivações, "inércia", "comodismo" ou "contestação". "Não fizemos uma distinção - disse o cardeal - embora talvez pudesse ser útil”.

Dom Tagle afirmou que a mensagem de "otimismo não é despropositada”. "Não houve cegueira no Sínodo, ninguém fingiu não existir problemas'', disse o futuro cardeal, “nós cremos, o otimismo nunca nos abandonou, nos dá uma sensação de serenidade, nos encoraja a encontrar a maneira de enfrentar até mesmo os escândalos que atingiram a Igreja”.

Outra questão mencionada foi a progressiva diminuição do número de católicos. Um problema que fez "sorrir", o arcebispo de Manila, que alegou ter "recebido com espanto as observações sobre o medo do declínio, sobre o número de praticantes, a influência real”. "Eu venho da Ásia - disse - e nós nunca fomos a maioria, é normal ser uma minoria. Mas nesta fé expressamos alegria: para nós a Igreja está viva, mesmo que sendo uma minoria”.

Cardeal Betori explicou aos jornalistas que: "O Sínodo não termina aqui, mas ainda haverá as propositiones finais e a Exortação Apostólica do Papa", por isso a mensagem apresentada hoje é mais um incentivo'' para as Igrejas do mundo, enquanto as propostas concretas incidirão na lista de proposições apresentadas ao Papa, e será anunciada amanhã.

Os dois últimos temas levantados durante a conferência de imprensa foram o "acompanhamento" da Igreja aos divorciados e o papel das mulheres após a publicação da mensagem. Quanto ao primeiro ponto, o cardeal Betori explicou que "a definição do problema" na mensagem final "é a mesma que tivemos a alegria de ouvir no Encontro das Famílias, em Milão, por parte do Papa”. O documento fala da necessidade de acompanhar esta realidade, e "a forma de acompanhamento - disse – concretamente deve ser encontrado, mas reafirmando a disciplina do acesso aos sacramentos''.

Para as mulheres, o cardeal ressaltou que o texto reafirma o seu papel fundamental na família e na evangelização e que "na edição final ressuscitam também os pais!"; no esboço decidiu-se lembrar o papel da mãe e do pai.

Concluída a conferência, à pergunta de ZENIT sobre a humildade da Igreja, e como esse aspecto pode torná-la mais "atraente" para os jovens e para a sociedade, Dom Tagle respondeu: "Para a Igreja, a humildade não é uma estratégia: é a maneira de ser de Jesus, o modo em que Deus se revelou a nós em Jesus". Então, ele advertiu: "Não acho que temos outra escolha a não ser a humildade”.

(Trad.MEM)