Documento sobre questão agrária é aprovado na 52ª Assembleia dos Bispos

Dom Enemésio Lazarris pretende levar discussão para esfera federal e estadual

Brasília, (Zenit.org) Lilian da Paz | 436 visitas

Após uma semana de discussões na 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), foi aprovado o documento sobre a questão agrária no país. O processo de amadurecimento do texto base já durava cinco anos.

Em 2013, a Conferência lançou um texto de estudo para a contribuição de todas as (arqui)dioceses. Agora, com as modificações feitas e a aprovação, dom Enemésio Lazarris, presidente da Comissão Pastoral da Terra, pretende que os governantes se atentem para a questão.

O bispo explica que a Igreja cobra do poder público uma posição. “Acreditamos que esse documento seja apresentado aos candidatos aos governos estaduais e federal, dizendo qual é a posição da Igreja em relação à questão agrária, e sobretudo sobre a função social da terra e da propriedade”, afirmou em coletiva de imprensa da Conferência.

Divido em três partes, o documento contextualiza a questão no Brasil abrangendo as demandas sociais dos povos indígenas, quilombolas, pescadores e extrativistas. Também há uma reflexão sobre o uso e posse de terras. Por fim, são destacados desafios referentes ao trabalho escravo e meio ambiente. O documento ainda traz caminhos para ação pastoral.  

Diretório de Comunicação

A Conferência também lançou o Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil. É o segundo no mundo – o outro foi criado na Itália. A expectativa dos bispos era muito grande para o lançamento, já que o trabalho de sistematização do documento 99 (como é chamado) durou 13 anos e tem uma importância fundamental para a evangelização no Brasil.

O Diretório será apresentado no 4º Encontro Nacional da Pastoral da Comunicação, realizado entre 24 e 27 de julho, também em Aparecida (SP). O documento já está disponível para aquisição nas Edições CNBB e nas livrarias católicas de todo o Brasil.