Dois milhões de muçulmanos celebram o ramadã na Espanha

Começa o mês sagrado da fé islâmica

| 963 visitas

MADRI, sexta-feira, 20 de julho de 2012 (ZENIT.org) - Mais de dois milhões de muçulmanos que residem na Espanha, de acordo com estimativas da comunidade islâmica, deverão cumprir os preceitos do ramadã, um período de jejum, abstinência sexual e caridade, que dura trinta dias.

O ramadã é celebrado durante o nono mês lunar, que novamente cai no verão do hemisfério norte, época de altas temperaturas especialmente no sul da Europa. O clima torna o jejum especialmente difícil, já que não permite sequer beber água durante as horas de sol.

Em declarações à imprensa, Ahmed Bermejo, diretor da mesquita maior de Granada, no sul da Espanha, reforça que os menores, idosos, mulheres grávidas ou em período de amamentação ou menstruação são isentos de cumprir os preceitos.

"Além disso, se o jejum prejudica a saúde ou alguém está proibido de jejuar pela razão que for, não é recomendável que ele faça o jejum", esclarece ainda Bermejo, acrescentando: "Cada um deve julgar a si mesmo. Só se prestam contas a si mesmo. Cada um vive a relação com Alá do melhor jeito que pode".

O diretor da mesquita maior de Granada recorda que o ramadã é um dos cinco pilares fundamentais do islã, juntamente com a peregrinação a Meca ao menos uma vez na vida, a oração feita cinco vezes por dia e o pagamento do zakat, ou 2,5% da riqueza acumulada que tiver ficado guardada sem movimento durante um ano inteiro. O quinto pilar é testemunhar que não há outro Deus além de Alá e que Maomé é o seu profeta.

Mas o "melhor muçulmano", enfatiza, não é aquele que só cumpre alguns dos pilares fundamentais do islã, e sim aquele que desenvolve valores como a paciência, a bondade e a generosidade, entre outros.

O início do ramadã é determinado pela lua nova. O período só começou de forma oficial na Espanha quando a lua ficou visível para os muçulmanos residentes no país, o que aconteceu nesta sexta-feira. O jejum começa amanhã, sábado, ao nascer do sol, e se prolongará durante os próximos trinta dias, durante as horas diurnas.

(Trad.ZENIT)