Dom de viver em paz é missão de todos, diz arcebispo

«Quem vive em paz tem recursos para enfrentar as dores, lutas e sofrimentos»

| 1100 visitas

BELO HORIZONTE, sexta-feira, 6 de julho de 2007 (ZENIT.org).- Segundo o arcebispo de Belo Horizonte (Minas Gerais, sudeste do Brasil), o dom de viver em paz é uma missão que pertence a cada pessoa.



Dom Walmor Oliveira de Azevedo explica, em mensagem aos fiéis difundida esta semana por sua arquidiocese, que o dom de viver em paz não é propriedade de alguns, nem mesmo de uma determinada faixa etária.

«O dom de viver em paz é missão de todos. Sua conquista está intrinsecamente ligada ao quotidiano diagnóstico do próprio coração para averiguar que hospedagens ali são oferecidas», afirma.

Segundo o arcebispo, vive em paz quem aprende e tão somente hospeda no seu coração o que garante a conquista da paz.

«Nunca vive em paz quem é detrator, se sustenta em juízos temerários, os murmuradores e maldizentes, os suspeitosos do que não vêem, procurando acusar o que nem mesmo suspeitam, com diz Santo Agostinho num dos seus sermões», destaca.

Dom Walmor afirma que é fácil encontrar quem vive em paz. «Quem vive em paz não é jamais poço de amarguras e lamentações. Este tem recursos para enfrentar as dores, lutas e sofrimentos com uma sabedoria que não está narrada em livro algum».

«Quem vive em paz nunca ajunta roda de amigos e cúmplices para planejar e desejar o fracasso dos outros, corroendo-se de ambições e de entendimentos que os perpetuam donos de um poder que nunca será o centro e a razão verdadeira de se viver em paz.»

Segundo o arcebispo de Belo Horizonte, «é insubstituível o lugar dos sábios que elegem como sabor primeiro de suas vidas o viver em paz, irradiando uma força invencível pelas ondas invisíveis dos corações, criando e alimentando redes de solidariedade, inspirando anseios de partilha e compromisso, devolvendo a quem precisa aquela indispensável serenidade para conduzir a vida».

«Quem vive em paz considera o outro como mais importante, sabe ceder lugar, não briga por ele, vive a paz de quem conquistou o mais importante que não está nas aparências, nem nos postos de importância, menos ainda nos títulos e nas posses.»

Dom Walmor afirma que quem vive em paz sabe que o mais importante está no coração. «E o comprova com a partilha serena e abundante que faz de si todos os dias, a todos, com a unção da palavra, com a força da ternura, com o encantamento da presença e com a generosidade da escuta e do reconhecimento do outro como mais importante».

«A conquista da paz, tarefa dada a cada pessoa, na força de sua responsabilidade individual, inclui como capítulo primeiro a capacidade de viver em paz para ser instrumento de paz para os outros, para que, como diz Santo Agostinho, “não aconteça que, comendo ervas boas e bebendo águas límpidas espezinhemos as pastagens de Deus e as ovelhas fracas comam a erva pisada e bebam água turva”», afirma o arcebispo.