Domus Sanctae Marthae: residência dos cardeais durante o Conclave

Hospitalidade com espírito de uma autêntica fraternidade sacerdotal

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) | 1302 visitas

A atual Casa Santa Marta (Domus Sanctae Marthae) é um residencial moderno, construído perto da Basílica Vaticana, onde anteriormente era a Casa de repouso Santa Marta e o Dispensário Pontifício de Santa Marta. Desde1996 aDomus hospeda cardeais e prelados que estão de passagem. São 106 suítes, 22 individuais e 1 apartamento. A Casa é administrada por um diretor nomeado pela Secretaria de Estado do Vaticano e as tarefas são atribuídas de acordo com o Estatuto.

Durante a Sé Vacante, a Domus será totalmente liberada para hospedar os cardeais eleitores. Aqueles que participarão do Conclave e já moram no Vaticano também irão para a Domus Sanctae Marthae conforme previsto na “Universi Dominici Gregis”.

Do ponto de vista jurídico a Domus é uma Fundação constituída em 1996 com quirógrafo de João Paulo II. A fundação ocupa o lugar de outra, desejada pelo Papa Leão XIII que em 1891 decidiu criar uma casa para acolhimento dos doentes dentro do Estado do Vaticano. Esta foi fundada especialmente devido a uma epidemia de cólera que na época atingiu várias cidades italianas. Durante a II Guerra Mundial, a Casa acolheu também refugiados, judeus, e embaixadores de países que haviam rompido relações diplomáticas com a Itália.

O documento assinado por João Paulo II em 1996 estabelece que a Domus Sanctae Marthae tenha como finalidade oferecer hospitalidade com espírito de uma autêntica fraternidade sacerdotal, aos eclesiásticos em serviço junto à Secretaria de Estado do Vaticano. Na medida do possível, oferece hospedagem também àqueles que estão a trabalho para outros Dicastérios, além de cardeais e bispos que estejam de passagem pela Cidade do Vaticano, seja para visitar o Papa ou para participar de encontros e reuniões na Santa Sé. Tudo isso de acordo com o estabelecido na Constituição Apostólica “Universi Dominici Gregis”, que reserva o local exclusivamente para o uso dos cardeais eleitores durante o Conclave para a eleição do Sumo Pontífice.

Além dos cardeais eleitores, permanecem na Casa algumas pessoas cuja presença é essencial para o desenvolvimento dos trabalhos, como o secretário do colégio cardinalício, o mestre das celebrações litúrgicas pontifícias, os cerimonialistas, alguns religiosos para atender confissões, algumas pessoas para os serviços gerais (limpeza e cozinha) e dois médicos para eventuais emergências. Todas as pessoas indicadas recebem aprovação prévia do cardeal camerlengo.

Durante o Conclave os cardeais eleitores irão para a Capela Sistina a pé, ao menos que desejem utilizar o serviço de um microônibus colocado à disposição.