Dor do Papa pelo «insensato assassinato» do sacerdote iraquiano e dos três subdiáconos

| 968 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 3 de junho de 2007 (ZENIT.org).- Bento XVI fez pública sua dor ao receber a notícia do «insensato assassinato» de um sacerdote caldeu e de três subdiáconos no Iraque e fez um importante chamado a «rejeitar todos os caminhos do ódio e da violência».



Os sentimentos do Papa podem ser lidos em um telegrama enviado nesta segunda-feira pelo cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado, em nome do Papa, ao arcebispo Paulos Faraj Rahho, de Mosul dos Caldeus (Iraque), onde foram assassinados.

O sacerdote Ragheed Aziz Ganni, de 35 anos de idade, e os subdiáconos Basman Yousef Daoud, Ghasan Bidawid e Wadid Hanna, morreram neste domingo depois de ter celebrado a Eucaristia, quando deixavam a Igreja em um carro, acompanhados pela mulher de um dos subdiáconos.

Nos últimos dias, os três subdiáconos sempre acompanhavam o sacerdote para tentar protegê-lo. De repente, o carro foi detido por homens armados. Os agressores afastaram a mulher e assassinaram os quatro homens.

Junto aos corpos colocaram explosivos, de forma que ninguém pôde aproximar-se durante horas, por medo de que explodissem.

Depois, a polícia conseguiu desativar as bombas e os corpos foram levados à igreja do Espírito Santo.

Em sua mensagem, o Papa se une «à comunidade cristã de Mosul para encomendar suas almas à misericórdia infinita de Deus, Nosso Pai que nos ama, e para dar graças por seu testemunho exemplar do Evangelho».

Ao mesmo tempo, «suplica que este caro sacrifício inspire nos corações de todos os homens e mulheres de boa vontade a decisão renovada de rejeitar todos os caminhos do ódio e da violência, para vencer o mal com o bem e cooperar no despontar do amanhecer da reconciliação, da justiça e da paz no Iraque».

Às famílias e a todos que choram por seus mortos, com a fé e a esperança que fundem sua certeza na Ressurreição, o bispo de Roma «envia de todo coração a bênção apostólica como prenda de consolo e força no Senhor».