É possível ser homossexual, católico e casto?

Do 17 ao 20 de julho, um Congresso internacional promovido pelas Organizações católicas Courage e EnCourage na Villanova University, na Philadelphia, presidida pelo arcebispo Chaput

Roma, (Zenit.org) Franco Olearo | 1052 visitas

Talvez nem todos saibam que existem organizações católicas que oferecem apoio espiritual para aqueles que percebem uma atração por pessoas do mesmo sexo (ASS) de uma forma especificamente adaptada às suas necessidades.

Como evidenciado pelo Instrumentum Laboris preparado para o próximo Sínodo dos Bispos sobre a Família no parágrafo 118: "O grande desafio será o desenvolvimento de uma pastoral que consiga manter o equilíbrio certo entre a acolhida misericordiosa das pessoas e o acompanhamento gradual em direção a uma verdadeira maturidade humana e cristã".

Este será o tema principal do Congresso internacional das organizações Courage e EnCourage 2014, dedicado ao Papa Francisco. O Congresso acontecerá do 17 ao 20 de Julho na Villanova University, na Philadelphia, Pa, onde centenas de delegados de todo o mundo serão recebidos pelo arcebispo da cidade, Charles J. Chaput, que celebrará a missa de abertura.

Courage é o modelo de sucesso para a cura pastoral das pessoas homossexuais. É um serviço promovido pelo episcopado da Igreja Católica para toda a comunidade eclesial, que tem o objetivo de dar apoio moral e espiritual a todas aquelas pessoas que percebem a ASS e ao mesmo tempo desejam viver de acordo com os ensinamentos da Igreja Católica .

EnCourage é uma organização que se junta à anterior e que oferece assistência aos parentes, cônjuges e amigos de pessoas com atração pelo mesmo sexo. Os dois apostolados, em contínuo crescimento, já contam com uma presença estável em mais da metade das dioceses dos Estados Unidos e em quatorze países dos cinco continentes, incluindo o Brasil (www.couragebrasil.com). O congresso internacional, que acontece a cada ano, é um momento importante para ouvir novos testemunhos e aprofundar nos objetivos do apostolado à luz da experiência adquirida no campo desta fronteira da nova evangelização.

Courage nasceu em 1980, uma iniciativa do então Cardeal de Nova York, Terence Cooke, que confiou a gestão a um teólogo de moral de reconhecida fidelidade à mensagem de caridade e verdade da Igreja: pe. John Harvey dos Oblatos de São Francisco de Sales (1918 -2010). Courage é a única forma de pastoral para pessoas homossexuais oficialmente aprovada pelo Vaticano. Desde então, várias centenas de grupos começaram em todo o mundo e continuam a perseguir com coerência o espírito com o qual nasceu esta iniciativa.

A missão do Courage foi sintetizada em cinco objetivos, mas o primeiro é muito claro e determinante: viver castamente. Os membros sabem que só se encontra a paz e a graça necessária para viver uma vida casta cultivando uma forte espiritualidade por meio da oração e dos sacramentos. Os outros quatro objetivos se concentram coerentemente na ajuda recíproca, no desenvolver amizades castas e testemunhar a ação transformante da graça na vida de todos os dias. O programa inclui reuniões periódicas de partilha, sob a orientação de um padre que imita, pela mesma admissão do movimento, o método utilizado pelos Alcoólicos Anônimos. Isto é acompanhado por um caminho tradicional de catequese católica (oração, leituras espirituais, acesso aos sacramentos, meditações, obras de caridade), sob a direção espiritual de um sacerdote escolhido pelo ordinário.

As iniciativas Courage e EnCourage são especialmente importantes porque estão mostrando que é possível perceber uma ASS e, ao mesmo tempo, ser cristãos devotos. Courage não dá tratamentos terapêuticos mas um programa moral e espiritual que valoriza a vocação cristã da pessoa na sua integridade, e vai além da condição homossexual.

Se, em alguns aspectos, por causa dos muitos preconceitos e das muitas ideologias que foram construídas sobre o tema da homossexualidade, pode parecer insólito a situação de uma pessoa com ASS que seja ao mesmo tempo um católico sincero, os princípios que inspiram e justificam uma cura pastoral específica são simples.

A vocação à santidade, mesmo na vida cotidiana, solenemente reafirmada pelo Concílio Vaticano II, está presente em todos os batizados, sem exceção; o corpo não é algo que podemos modificar ou “orientável” à vontade: de acordo com o relato bíblico da criação, pertence à essência da criatura humana ter sido criada por Deus como Homem e como mulher. A diferença sexual não é um acidente, é constitutiva da pessoa; Todo batizado é chamado à castidade. Todos os crentes em Cristo são chamados a levar uma vida casta, em consonância com os seus particulares estados de vida. (CCC n. 2348)

Se estes são os princípios unificadores de todos os batizados, a especificidade de uma catequese para pessoas com ASS decorre do fato de encontrar-se diante de objetivos difíceis de serem perseguidos (mas possíveis com a Graça Divina) e com o compromisso de levar uma vida rica humanamente e espiritualmente.

Por estas razões, os membros dos vários grupos de Courage são incentivados a aprofundar seu discipulado cristão mediante uma intensa participação na vida sacramental da Igreja e a oferecer para os outros os serviços de testemunho, conselho e a comprometer-se em obras de caridade.

Um dos depoimentos no site de Courage explica como a decisão de aderir ao programa tenha surgido ao ver os outros participantes comprometidos como leitores da Palavra, ministros da Santa Comunhão, comungando diariamente, dedicados aos enfermos nos hospitais ou a distribuir comedia nas mesas dos pobres.

Entre os oradores previstos pelo programa deste ano estarão também pe. Paul Check, atual diretor internacional do Apostolado Courage; pe. James Brent, O.P. com a palestra “De um grau de glória ao outro: castidade como beleza espiritual”; convidada extraordinária Immaculée Ilibagiza, sobrevivente do genocídio em Ruanda, que vai contar a sua história de Fé, Esperança e Perdão; pe. Joseph Koterski, S.J. que falará do “Significado cristão da sexualidade humana”; o oratoriano Pe. Philip Bochanski, C.O., que vai falar sobre o exemplo dos mártires da Uganda em Namugongo; pe. Donald Timone, da diocese de Nova York, vai realizar uma conferência espiritual intitulada "Descer da montanha”; concluirá o ciclo das palestras o ex -protestantes que se converteu ao catolicismo, Andrew Comiskey, "Não julgar? Esclarecer o conceito do Novo Testamento de julgamento".

O congresso será a oportunidade também para a apresentação do documentário "Desire of the Everlasting Hills”, contendo os depoimentos de alguns membros, primeiro de uma série de subsídios em várias línguas, disponíveis proximamente para todas as dioceses que queiram promover este apostolado. (Trad.T.S.)