É preciso enamorar-se de Cristo, afirma Papa

Dedica a audiência geral a São Pio X

| 1597 visitas

CASTEL GANDOLFO, quarta-feira, 18 de agosto de 2010 (ZENIT.org) - O núcleo dos ensinamentos, da atuação e da vida de São Pio X foi o enamoramento de Cristo, necessário também para os pastores e fiéis de hoje, afirmou o Papa Bento XVI durante a audiência geral.

Falando da janela que dá para o pátio interior do palácio de Castel Gandolfo, onde o esperavam milhares de fiéis, como é costume, o Papa quis dedicar seu discurso à figura desse predecessor seu, cuja memória será comemorada no próximo sábado, 21 de agosto.

"São Pio X nos ensina que, na base da nossa ação apostólica, nos diversos campos em que trabalhamos, deve haver sempre uma íntima união pessoal com Cristo, que é preciso cultivar e fazer crescer cada dia", sublinhou Bento XVI.

"Este - afirmou - é o núcleo de todo o seu ensinamento, de todo o seu compromisso pastoral. Somente se estivermos enamorados do Senhor, seremos capazes de levar os homens a Deus e abri-los ao seu amor misericordioso."

O Papa explicou que o pontificado de Giuseppe Sarto deixou um sinal indelével na história da Igreja, caracterizando-se por um notável esforço de reforma que abarcou os diversos âmbitos eclesiais.

"Desde o começo, dedicou-se à reorganização da Cúria Romana; depois, aprovou os trabalhos da redação do Código de Direito Canônico, promulgado pelo seu sucessor, Bento XV. Promoveu, além disso, a revisão dos estudos e do iter de formação dos futuros sacerdotes, fundando também vários seminários regionais, equipados com boas bibliotecas e professores preparados", mencionou.

Pio X deu muita importância à formação doutrinal do povo de Deus, e por isso redigiu o conhecido Catecismo que levaria seu nome.

"Como autêntico pastor, havia compreendido que a situação da época, também pelo fenômeno da migração, tornava necessário um catecismo ao qual todo fiel pudesse referir-se, independentemente do lugar e das circunstâncias da vida", explicou o Papa.

"O Catecismo chamado ‘de Pio X' foi para muitos um guia seguro na aprendizagem das verdades da fé, por sua linguagem simples, clara e precisa e por sua eficácia expositiva", acrescentou.

A este pontífice se deve também uma reforma da Liturgia, "em particular da música sacra, para levar os fiéis a uma vida de oração mais profunda e a uma participação nos sacramentos mais plena".

Pio X promoveu a "participação ativa nos sacrossantos mistérios e na oração pública e solene da Igreja", aconselhando a comunhão frequente aos fiéis. Outra de suas iniciativas foi a de antecipar a idade da Primeira Comunhão para os 7 anos.

Modernismo

Outra das tarefas levadas a cabo por este Papa foi a condenação do Modernismo, um movimento religioso que considerava a Igreja e seus dogmas como meras instituições humanas e que favorecia a interpretação subjetiva, sentimental e histórica de muitos conteúdos religiosos.

"Fiel à tarefa de confirmar os irmãos na fé, São Pio X, frente a algumas tendências que se manifestaram no âmbito teológico no final do século XIX e começo do XX, interveio com decisão, condenando o Modernismo, para defender os fiéis das concepções errôneas e promover um aprofundamento científico da Revelação, em consonância com a Tradição da Igreja", explicou.

Ao santo pontífice se deve também a fundação do Pontifício Instituto Bíblico.

Os últimos meses da sua vida "foram difíceis, pelo começo da guerra", explicou Bento XVI, recordando o apelo lançado por Pio X aos católicos do mundo, no dia 2 de agosto de 1914. Nele, moribundo, o Papa Sarto expressava sua "‘áspera dor' daquele momento; era o grito sofredor do pai que vê os filhos enfrentando-se uns aos outros".

"Ele faleceu pouco depois disso, no dia 20 de agosto, e sua fama de santidade começou a difundir-se imediatamente entre o povo cristão", concluiu Bento XVI.

(Por Inma Álvarez)