Educar para a solidariedade

Um apelo de dom Héctor Aguer, arcebispo de La Plata

Madri, (Zenit.org) | 411 visitas

Dom Héctor Aguer, arcebispo de La Plata, Argentina, e presidente da Comissão Episcopal para a Educação Católica naquele país, fez um apelo por “uma educação para a solidariedade; uma educação com sentido plenamente cristão, católico; uma educação na caridade”. O pedido foi feito em sua reflexão televisiva semanal no programa Claves para un Mundo Mejor, do canal América TV.

Aguer recordou que existe nas escolas argentinas “uma matéria chamada Construção de Cidadania”, que tem “como primeiro objetivo educar para a cidadania e construir cidadãos”. E se perguntou: “Como educar um cidadão se não se educa a pessoa? Se não se transmitem para essa pessoa valores fundamentais como, por exemplo, o senso de justiça, de respeito e de solidariedade?”.

“As pessoas pedem justiça, mas não percebem que falta algo na justiça quando ela não vem junto com a solidariedade, quando ela não é complementada e animada, diríamos nós, pelo amor ao próximo, pela caridade”, afirmou o prelado, acrescentando: “Quem educa na solidariedade? Onde? A escola pode tentar, sem dúvida, e eu acho que, no sistema educativo católico, este é um dos objetivos fundamentais. É um aspecto principal daquilo que podemos chamar de educação para a vida social. A virtude social por excelência é a justiça, elevada e completada pela solidariedade”.

O arcebispo explicou que “a escola pode fazer muito neste sentido, mas, antes que a criança chegue à escola, a família é que é a grande educadora; é a família que deve educar na solidariedade. Esta tarefa pressupõe uma família consolidada, uma família estável. Hoje em dia, a situação é crítica em muitas famílias, diminuindo a potencialidade educadora. Uma família que possa criar os filhos dignamente e orientá-los nos valores fundamentais da vida; disso depende o futuro da cidadania… Na família, os numerosos irmãos se educam entre si. A família os educa, é claro, mas eles educam a si mesmos na solidariedade”.

Dom Héctor Aguer sustentou ainda que “há outros fatores educativos de importância, entre eles o ambiente social, o clima social. Isso também é fundamental. Quando vemos tantos exemplos de egoísmo, de enriquecimento desmesurado, tantas diferenças econômicas e sociais que vão até se agravando em vez de diminuir, tudo isso conspira contra uma educação na solidariedade”.

Por último, o prelado destacou que “está em jogo algo fundamental não só para o futuro da humanidade, mas para a felicidade da própria pessoa. Ninguém pode ser feliz pensando exclusivamente em si mesmo ou se colocando acima de tudo, porque o homem foi feito para amar e ser amado, e é nisto que consiste a felicidade”.