El Salvador: Igreja comemora aniversário dos Acordos de Paz

Arcebispo de El Salvador: “São um exemplo para o mundo inteiro”

| 1073 visitas

SAN SALVADOR, quinta-feira, 20 de janeiro de 2011 (ZENIT.org - El Observador) - Dezenove anos após a assinatura dos Acordos de Paz (em 16 de janeiro de 1992, em Chapultepec, Cidade do México) entre a Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN) e as Forças Armadas de El Salvador (FAES), o arcebispo de San Salvador, Dom José Luis Escobar Alas, afirmou que esses acordos "são um exemplo para o mundo, não só porque acabaram com tantos anos de luta armada, mas também por sua durabilidade e capacidade de unir pensamentos tão diferentes, com o único objetivo de ter um país melhor".

"É louvável e plausível que tenham se mantido por um longo tempo, sem que se voltasse às situações anteriores de violência (...). Vimos um esforço de todos os setores para dar continuidade ao acordo alcançado", manifestou Dom Escobar Alas.

O arcebispo de San Salvador, ao comentar sobre o desenvolvimento posterior dos acordos, disse que foi importante que as partes envolvidas no conflito armado, uma vez concluído este, se uniram nas várias instituições do Estado para lutar pela democratização do país.

"Na luta pela democratização, disse Dom Escobar Alas, podemos ver o exemplo do Legislativo, que é composto por pessoas com diferentes modos de pensar; nunca foi visto nesta instituição ameaças de violência, golpes, nem agressões verbais, que atentam contra a vida dos seus integrantes."

Os acordos de paz dos quais o México era intermediário, puseram fim a uma cruel guerra intestina que durou 12 anos (1980-1992) e na qual houve 75 mil pessoas mortas ou desaparecidas, embora a guerra não tenha sido declarada como "oficial".  Apesar dos fatores positivos prevalecerem, ainda há feridas que não cicatrizam.

A este respeito, Dom Escobar Alas disse que "existe ainda a falta de convivência pacífica, a falta de democracia, de espaços para exercer todos os nossos direitos, além de fome, pobreza e miséria; 19 anos não foram suficientes para atender todas as metas para que nós pudéssemos viver em perfeita paz e harmonia".

A assinatura dos Acordos de Paz foi o resultado de um longo processo de negociações que começou na década de 80. As primeiras reuniões foram realizadas em La Palma, Chalatenango, Ayagualo, em Libertad, e na nunciatura apostólica de San Salvador.