"Em Jesus Cristo o Logos entrou no mundo"

Alguns trechos do último livro de Bento XVI que estará à venda amanhã

| 1242 visitas

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 20 de novembro de 2012 (ZENIT.org) – Publicamos a seguir dois trechos do manuscrito original do livro L’infanzia di Gesù (Rizzoli – Libreria Editrice Vaticana), a Infância de Jesus, de Joseph Ratzinger - Bento XVI, que estará amanhã nas livrarias, também em língua portuguesa.

***

(...) Jesus nasceu em uma época que pode ser determinada com precisão. No início do ministério público de Jesus, Lucas oferece mais uma vez uma data detalhada e precisa daquele momento histórico: é o décimo quinto ano do reinado de Tibério César; também são mencionados o governador romano daquele ano e os tetrarcas da Galiléia , da Ituréia e da Traconítide, como também de Abilene, e os chefes dos sacerdotes (Lc 3,1 s).

Jesus não nasceu e apareceu em público no impreciso “era uma vez” do mito. Ele pertence a um tempo exatamente datável e a um ambiente geográfico precisamente definido: o universal e o concreto estão se tocando. Nele, o Logos, a Razão criadora de todas as coisas, entrou no mundo. O Logos eterno se fez homem, e disso faz parte o contexto de lugar e tempo. A fé está ligada a esta realidade concreta, ainda se depois, em virtude da Ressurreição, o espaço temporal e geográfico é superado e o “preceder na Galiléia” (Mt 28,7) do Senhor entra na vastidão aberta de toda a humanidade ( cf. Mt 28,16 ss.)

Da página 36 do manuscrito

*

(...) Maria envolveu o menino em panos. Sem nenhum sentimentalismo, podemos imaginar o amor com que Maria se encaminhou à sua hora, terá preparado o nascimento do seu Filho. A tradição dos ícones, em base à teologia dos Padres, interpretou a manjedoura e os panos também teologicamente. A criança bem envolvida nos panos aparece como uma antecipação da hora da sua morte: Ele é desde o início o Imolado, como veremos ainda mais detalhadamente refletindo na palavra sobre o primogênito. Assim a manjedoura foi representada como uma espécie de altar.

Agostinho interpretou o significado da manjedoura com um pensamento que, a princípio, parece quase indecoroso, mas, examinado mais profundamente, contém, pelo contrário, uma profunda verdade. A manjedoura é o lugar no qual os animais encontram o seu alimento. Agora, no entanto, está na manjedoura Aquele que indicou a si mesmo como o verdadeiro pão descido do céu – como o verdadeiro alimento que o homem tem necessidade para ser pessoa humana. É o alimento que dá ao homem a vida verdadeira, aquela eterna. Deste modo, a manjedoura se torna uma referência para a mesa de Deus, à qual o homem está convidado, para receber o pão de Deus. Na pobreza do nascimento de Jesus descreve-se a grande realidade, na qual atua-se de modo misterioso a redenção dos homens.

Da página 38 do manuscrito

(Trad.TS)