Em Nagasaki, um museu para celebrar os "cristãos escondidos" durante as perseguições

A inauguração será em janeiro de 2015, e comemora a reinserção da comunidade católica subterrânea depois de mais de dois séculos de clandestinidade

Roma, (Zenit.org) Redacao | 339 visitas

Será inaugurado em Janeiro, em Nagasaki, no Japão, um museu para celebrar o "Kakure Kirishitan":  cristãos que permaneceram durante dois séculos fiéis a Cristo e à Igreja, apesar da forte perseguição e da total ausência de liberdade e de prática religiosa.

A iniciativa – conforme informações da agência Asia News – que celebra o 150 º aniversário do "reinserção" da "Kakure Kirishitan", nasce da colaboração entre uma editora e a arquidiocese católica. Incentivado por Chiyoko Iwanami, 66 anos, de Tóquio, que quis homenagear o testemunho dos cristãos perseguidos durante o shogunato Tokugawa do período Edo (1603-1867).

O museu será aberto na região de  Heiwamachi em Nagasaki, não muito longe da Catedral Urakami e do Museu do bombardeio que lembra a destruição ocorrida após o lançamento de bombas atômicas sobre o Japão em 1945.

De acordo com Iwanami, esta tragédia influenciou a escolha: "Muitos católicos – afirma à Asia News - morreram durante o bombardeio. Quero mostrar às pessoas o quão difícil é proteger a fé se não há liberdade religiosa".

A estrutura cobrirá 140 metros quadrados do primeiro andar de um edifício de propriedade de Iwanami, que publicou várias obras sobre a perseguição anti- cristã e sobre história de Nagasaki. A Arquidiocese de Nagasaki vai cuidar dos objetos em exposição, medalhas religiosas e ícones presentes hoje no Museu Nacional de Tóquio.

Os "Kakure Kirishitan" convertidos no século XVI mantiveram-se fiéis à Igreja, apesar da ausência total de missionários, sacerdotes, da liberdade e da prática religiosa. Depois de quase dois séculos de clandestinidade, a comunidade cristã subterrânea do Japão "saiu" da obscuridade após a inauguração da igreja de Oura (perto de Nagasaki ), que o governo de Tóquio concedeu aos missionários franceses.

Enquanto rezava na igreja, em 17 de março de 1865, Pe. Petitjean – missionário do Mep, que mais tarde tornou-se o primeiro bispo de Nagasaki - foi abordado por um pequeno grupo de agricultores locais que lhe perguntou se "era possível saudar Jesus e Maria". Após um momento de estupor, o padre soube da história: uma grande comunidade cristã e ainda fiel a Roma estava presente no país desde a perseguição de 1500.

(Trad.MEM)