Encerrada fase introdutória da Causa de Beatificação de Álvaro del Portillo

Sucessor de São Josemaría Escrivá de Balaguer na guia do Opus Dei

| 1044 visitas

ROMA, terça-feira, 19 de agosto de 2008 (ZENIT.org).- O Tribunal da Prelazia do Opus Dei encerrou em 7 de agosto, em Roma, a fase introdutória da causa de beatificação de Dom Álvaro del Portillo (1914-1994), sucessor de São Josemaría Escrivá de Balaguer, concluindo deste modo a fase diocesana do processo.

O Tribunal da Prelazia e o Tribunal do Vicariato de Roma trabalharam durante 4 anos no estudo de testemunhos de pessoas que quiseram confirmar a santidade de Dom Álvaro, como todo o mundo o conhecia.

«Dom Álvaro foi sobretudo um homem de fé», assinalou o prelado do Opus Dei, Dom Javier Echevarría, presidindo o evento na sala magna João Paulo II da Pontifícia Universidade da Santa Cruz de Roma, segundo informa o Opus Dei em seu site.

O Prelado recordou durante sua intervenção o duro trabalho realizado até agora para levar adiante a causa de canonização de Dom Álvaro del Portillo.

«Como sabeis, pedi ao cardeal Camillo Ruini que nomeasse um Tribunal no Vicariato de Roma para que escutasse meu testemunho e o das pessoas próximas ao Servo de Deus», explicou Dom Echevarría.

De fato, normalmente a fase introdutória é realizada só por um Tribunal, mas nesta ocasião, e sendo uma das primeiras causas que a prelazia do Opus Dei está levando adiante, o Vaticano concedeu 2 Tribunais.

O Tribunal do Vicariato encerrou seu estudo em 26 de junho passado; o segundo terminou em dias passados, abrindo agora, de forma oficial, o caminho para apositio. Uma vez chegados a essa fase, realizar-se-á um resumo dos testemunhos recolhidos e se elaborará uma biografia com as virtudes heróicas do Servo de Deus. O material passará depois à Congregação para as Causas dos Santos, que nomeará um relator, fechando deste modo a positio.

Dom Álvaro do Portillo nasceu em Madri em 11 de março de 1914. Foi o terceiro de oito irmãos em uma família profundamente cristã. Em 1935 se incorporou ao Opus Dei, que havia sido fundado há 7 anos; e – como disse a Rádio Vaticano ao dar a notícia - «graças aos seus excepcionais dotes de inteligência e disponibilidade, logo se converteu na ajuda mais firme de São Josemaría».

«Ele viveu com fidelidade plena sua vocação cristã, mediante a santificação do trabalho profissional e o cumprimento de seus deveres, e desenvolveu uma profunda atividade apostólica, caracterizada por uma sincera e leal amizade, entre seus companheiros de estudo e seus colegas de trabalho», informa a emissora pontifícia.

Era doutor em Engenharia Civil, em Filosofia e Letras e em Direito Canônico. Em 25 de junho de 1944, foi ordenado sacerdote. Desde esse momento se dedicou inteiramente ao ministério pastoral, em serviço dos fiéis do Opus Dei e de todas as almas. Em 1946, fixou sua residência em Roma, como São Josemaría, e a partir de então seu serviço à Igreja se manifestou também na dedicação às tarefas que lhe conferiram os sucessivos pontífices como consultor de vários dicastérios da Cúria Romana e, especialmente, na participação nos trabalhos do Concílio Vaticano II.

Desde 1975, esteve à frente do Opus Dei. Em 28 de novembro de 1982, ao erigir a Obra em prelazia pessoal, o Santo Padre João Paulo II o nomeou como prelado do Opus Dei, e em 6 de janeiro de 1991 lhe conferiu a ordenação episcopal.

«O trabalho de governo de Dom Álvaro del Portillo se caracterizou pela fidelidade ao fundador e à sua mensagem, e pelo afã de servir a Igreja», afirma a Rádio Vaticano.

Morreu em Roma em 23 de março de 1994. Nesse mesmo dia, o Santo Padre João Paulo II foi rezar diante dos seus restos mortais, que agora repousam na cripta da igreja de Santa Maria da Paz, «continuamente acompanhados pela oração e o carinho dos fiéis do Opus Dei e de milhares de pessoas que recorrem à sua intercessão», disse a Rádio Vaticano.