"Encham-se de alegria e consolem o meu povo

O cardeal brasileiro João Braz de Aviz na paróquia dos Anjos da Guarda de Roma, para a festa de São Francisco Carracciolo

Roma, (Zenit.org) Redacao | 201 visitas

"Alegrai-vos, alegrai-vos, enchei-vos de alegria e consolai o meu povo”: com estas palavras, tiradas da carta circular em preparação do ano dedicado à vida consagrada, o card. João Braz de Aviz, Prefeito da Congregação para os Institutos de vida consagrada e as sociedades de vida apostólica, cumprimentou as consagradas e os consagrados presentes na paróquia SS. Anjos da Guarda de Roma, no coração do bairro Montesacro.

Convidado para presidir a solene concelebração eucarística em honra de São Francisco Caracciolo, fundador da ordem dos clérigos regulares menores (carinhosamente conhecidos como "padres caracciolini”), o card. Braz não perdeu a oportunidade para encontrar-se pessoalmente com os membros dos vinte institutos de vida religiosa e consagrada comprometidos nos mais diversos âmbitos da paróquia, para escutar, confirmar, incentivar, em um lindo clima de festa e de fraternidade.

"A cada vez mais somos chamados a viver uma espiritualidade de comunhão, agradecer de joelhos ao Senhor pelo dom de todos os carismas”, recordou o Cardeal, porque em uma sociedade que empurra cada vez mais para o individualismo, para as divisões, “os consagrados não podem fechar-se nos próprios institutos”, mas devem ser sinal de unidade também na diversidade”.

"É importante viver a nossa consagração na alegria – destacou em seguida – viver com a paixão a nossa vocação também quando o presente nos propõe dificuldades”. Precisamente o tempo da prova pode ser a ocasião certa para “retornar ao seguimento de Jesus, para seguir o Evangelho mais de perto”. Trata-se de um caminho contínuo, diário, no qual não se pode cair na tentação de “já ter chegado” ou do desânimo de não “fazer” muito. “As obras são importantes, mas em primeiro lugar vem a relação com Jesus”: somente se estamos alimentados pelo Seu Corpo e iluminados pela Sua Palavra, podemos “viver o futuro com a certeza de que o Senhor é fiel”.

Só desta forma os consagrados serão o que são chamados a ser, ou seja, “Palavra viva, encarnada”, uma luz para o mundo. Só assim poderão “semear muitos grãos, para que as ervas daninhas tenham menos espaço para se enraizar". (Trad.TS)