Encontrado em uma garagem grande parte do tecido embebido no sangue de Wojtyla

O fragmento da relíquia foi reconstruído pelo bispo auxiliar de L'Aquila, Giovanni D' Ercole, segundo o qual faltam alguns fios de ouro que a polícia ainda está procurando

Roma, (Zenit.org) Redacao | 436 visitas

A história do roubo da relíquia de João Paulo II, em Abruzzo, parece ter chegado ao fim. Hoje, grande parte do tecido que contém o sangue do Beato foi encontrado na garagem de um dos três jovens viciados denunciados ontem.

O anúncio foi dado por monsenhor Giovanni D' Ercole, bispo auxiliar de L' Aquila, durante uma conferência de imprensa conjunta com a polícia e os carabinieres. O prelado declarou-se “feliz”, dizendo  que o fragmento de tecido foi pessoalmente reconstruído por ele e que faltaria somente alguns fios de ouro que a polícia ainda está procurando. As investigações já tinham se concentrado desde esta manhã na região do Projeto Case di Tempera, residência de um dos três jovens acusados do sacrilégio. A delegacia de Aquila tinha pedido o envio de uma Força-Tarefa da Polícia Científica de Roma especializada em encontrar vestígios de sangue, e de Milão também foi enviado um cão molecular, um pastor alemão sob as forças da Polícia de Fronteira do aeroporto de Malpensa, capaz de reencontrar o precioso objeto sagrado.

A relíquia durante cinco dias foi exposta à intempérie. As investigações foram iniciadas pela polícia no domingo passado, depois de que o pároco do pequeno santuário de São Pedro da Lenca, no sopé do Gran Sasso, denunciou o incidente. No dia seguinte, 50 homens foram envolvidos na investigação dos objetos roubados (além da relíquia foi roubado também um crucifixo).

Ontem de manhã, os investigadores tinham prendido os dois ladrões por roubar um ônibus, que depois confessaram o crime e indicaram o lugar onde tinham enterrado a cruz e parte do ferro que continha o frasco, o terreno do Sert de Collemaggio. Durante os interrogatórios, tinham afirmado ter jogado nos arbustos o recipiente que continha um pedaço do hábito do Papa Polonês embebido do sangue do atentado de maio de 1981.

Trad.TS