"Encontrem a estrada para rir de si mesmos, e permaneçam com o vosso rebanho!

Papa Francisco recebe em audiência os novos bispos e convida-os a ter "o cheiro das ovelhas", a receber os sacerdotes" e a não se tornarem bispos de aeroporto"

Roma, (Zenit.org) Antonio Gaspari | 642 visitas

"Apascentem o rebanho de Deus que lhes foi confiado, não por imposição, mas de livre e espontânea vontade, como Deus o quer; não por vil interesse, mas com generosidade; não como donos daqueles que lhes foram confiados, mas como modelos para o rebanho”(1 Pedro 5, 2). "Essas palavras de São Pedro são esculpidas em meu coração!”

Com estas palavras, o papa Francisco, às 12h00 desta manhã, na Sala Clementina do Palácio Apostólico Vaticano, recebeu em audiência os bispos recém-nomeados participantes da Conferência organizada pela Congregação para os Bispos e pela Congregação para as Igrejas Orientais.

Ele então explicou que a apascentar significa ter "habitual e cotidiano cuidado pelo rebanho" (Conc Ecum Conselho II, Lumen Gentium, 27), "acolher com magnanimidade, caminhar com o rebanho, permanecer com as ovelhas".

De acordo com o pontífice, os novos bispos devem refletir três palavras: "acolher, caminhar, permanecer".

Ele afirmou que acolher com magnanimidade significa que todos aqueles que baterem à porta “a encontrem aberta, - continuou o Santo Padre - através de sua bondade, da sua disponibilidade, experimentarão a paternidade de Deus e entenderão como a Igreja é uma boa mãe, que sempre acolhe e ama”.

Caminhar com o rebanho, - acrescentou - significaestá em caminho “com” e “no” seu rebanho. Isto significa caminhar com os próprios fiéis e com todos aqueles que se dirigirão a vocês, partilhando com eles alegrias e esperanças, dificuldades e sofrimentos, como irmãos e amigos, mas, mais ainda como pais, que são capazes de escutar, compreender, ajudar, orientar”.

A este respeito, convidou a responder e receber os sacerdotes que são os mais próximos do bispo, indispensáveis colaboradores dos quais buscar conselho e ajuda, e dos quais cuidar como pais, irmãos e amigos.

Neste contexto, o papa disse: "Eu não sei se é verdade, mas muitos padres me contaram que ligavam para o bispo e o secretário respondia que não tinha tempo para recebê-los; isso, durante meses”. Ele explicou aos bispos que esse comportamento não é de um pai, mas de um gerente de escritório, e convidou-os a responder no mesmo dia, ou pelo menos no dia seguinte para marcar um encontro.

O Papa sublinhou a importância do pastor para o rebanho, isto é, a presença na diocese que “não é secundária, é indispensável”. "A presença! - disse -É o próprio povo quem pede, quer ver o seu Bispo caminhar com ele, estar do lado dele.”Francisco pediu ainda para que os bispos fossem até o povo “também nas periferias de suas dioceses e em todas as periferias "existenciais" onde há sofrimento, solidão, degradação humana".

O bispo de Roma explicou então que o estilo de serviço ao rebanho deve ser o da “humildade, da austeridade, e da essencialidade".

"Por favor - disse ele - não sejam “homens com a ‘psicologia de princípios’, homens ambiciosos, que são esposos de uma Igreja, na espera de outra mais bonita, mais importante ou mais rica. Estejam muito atentos a não caírem no espírito do carreirismo! Não é só a palavra, mas também é, sobretudo, com o testemunho concreto de vida que somos mestres e educadores do nosso povo”.

Peço-vos, por favor, - disse o Papa – permaneçam com o vosso rebanho. “Permanecer, ... continuou o Papa. Evitem o escândalo de serem “bispos de aeroportos”!”.

O Papa convidou os novos bispos a serem “pastores acolhedores, que caminham com o seu povo, com afeto, com misericórdia, com docilidade de tratamento e firmeza paterna, com humildade e discrição, capazes de olhar também aos seus limites e de ter uma dose de bom humor.”

Ele concluiu, convidando a rezar por uma graça: "Senhor, dá-me o senso de humor. Encontrar o caminho para rir de si mesmo em primeiro lugar, e um pouco das coisas. E permaneçam com vosso rebanho!”