Encontro com o Papa Francisco

Testemunho de Luiz Fernando Miguel Seminarista da Arquidiocese de Aparecida

São Paulo, (Zenit.org) | 723 visitas

No dia 24 de Julho o Santo Padre Francisco visitou o Santuário de Aparecida em São Paulo. Logo após a missa celebrada na Basílica o Papa almoçou de forma muito simples com os seminaristas reunidos no Seminário Bom Jesus.

Chegou à redação de ZENIT um belíssimo testemunho de Luiz Fernando Miguel, seminarista da arquidiocese de Aparecida, que participou desses momentos com o Santo Padre.

***

Caros amigos, quero através destas poucas linhas tentar descrever uma experiência que para mim foi única e sublime; as palavras tentam demonstrar um pouquinho de tudo o que vivi.

Estar próximo ao Papa Francisco me trouxe um sentimento de que eu estava representando muitos jovens que tinham o desejo de receber o seu abraço ou mesmo de contemplar de perto o seu sorriso.

Francisco... Simplicidade até no próprio nome. O primeiro contato que tive com o Santo Padre foi logo que ele desceu da Sacristia improvisada próxima à Capela dos Apóstolos no Santuário Nacional, pois eu iria entrar com ele na procissão de entrada da celebração eucarística. Logo que desceu e nos avistou - todos ali o esperando para o início da celebração - o Santo Padre já nos saudou com um sorriso gostoso e acolhedor. Durante toda a celebração estive “cara a cara” com o Papa, pois fui o responsável de segurar o microfone para ele (Agüenta coração! Rs).

Após a celebração nos dirigimos todos ao Seminário Bom Jesus, berço das vocações na Arquidiocese de Aparecida. Ali esperamos por minutos que pareciam não passar, aguardando o trajeto do Santo Padre de “papamóvel” do Santuário até o Seminário. Todos ali, na entrada do prédio, ansiosos pela visita do Sucessor de Pedro.

Logo que chegou, o Santo Padre já esbanjou sua simpatia distribuindo abraços a todos que ali se encontravam; logo também cumprimentou os seminaristas e padres que ali residem.

Ao passar por mim senti uma grande paz, era a segunda vez que tinha um contato tão próximo com o Papa. Não perdi a oportunidade, foi ali mesmo que entreguei a ele uma “bandana”, um lenço com os nomes de vários jovens da Paróquia Nossa Senhora da Glória (Guaratinguetá) do meu grupo da JMJ, dos seminaristas e de alguns amigos. Ao entregar a ele o lenço lhe disse “Santo Padre receba um presente de alguns jovens”, ele me acolheu com um surpreso sorriso e me questionou “É para mim mesmo?”, mais que pronto respondi “Sim, aí estão os nomes de vários jovens que vão à JMJ” e ele mais que depressa colocou a “bandana” no pescoço e me perguntou “posso usar assim?” e ali os sorrisos e um belo clima de descontração se fizeram presentes. Naquele gesto simples senti o amor do Papa pelos jovens. Sua espontaneidade conquista, atrai e envia os jovens em missão.

Almoçamos com o Santo Padre no Seminário. E que almoço! Eu não sabia se comia ou se ficava somente contemplando o singelo semblante do Santo Padre. Depois da refeição o reitor do Seminário pediu ao Santo Padre que nos concedesse uma benção e ele mais que pronto lha concedeu, ao término o Papa nos fez o seu insistente pedido: “Rezem por mim!”... Isso tudo me soou tão suave e carinhoso aos ouvidos. Esse foi o terceiro contato com o Santo Padre. Após esse momento o aguardamos na saída do seminário.

Ao subir no “papamóvel” estávamos do ladinho do mesmo aguardando mais um “tchauzinho” pelo menos; e eis que o Papa nos surpreende vindo ao nosso encontro e dizendo em alto e bom tom “Sean Buenos curas!” (Sejam bons padres!) O que tocou meu coração e que veio como o mandato de um pai que ama os filhos e que querem que eles sejam bons. Todo esse momento ao lado do Papa me fez ver a maravilha que é ser um Cristão autêntico. Pude fazer uma experiência de estar #seguindoopapa, ou seja, após sua ida para o Rio de Janeiro lá também fui eu participar da JMJ. Que maravilha! Que graça de Deus na vida da juventude de todo o mundo!

Como costumo sempre dizer aos que me perguntam, a vinda do Santo Padre à JMJ e suas atividades que nos revelam um servidor, um homem simples, querem nos dizer muito e chamar a nossa atenção para que – mais do que nunca – sejam Cristãos e, especialmente jovens do encontro. Devemos ir ao encontro dos outros que precisam de nós. O mandato foi feito “Ide fazei discípulos entre todas as nações” e agora cabe a cada um de nós jovens levarmos o sorriso, o carinho e a simplicidade de Francisco aos demais jovens que se encontram em meio às drogas, aos vícios...

O encontro com o Papa não me “deixou nas nuvens”, muito pelo contrário, me lançou pra frente, me colocou ainda mais os pés no chão e me fez perceber que minha missão é estar entre os jovens para ajudá-los também nos seu processo de encontro com o Mestre Jesus para que também estes sejam missionários. Deus abençoe a todos. Aprendi com o Papa a fazer algo muito belo, pedir sempre e insistentemente: “Rezem por mim!” Paz e Bem! Deus abençoe a todos!