Encontro entre o Papa Francisco e Frei Betto e a "reabilitação" de Giordano Bruno

Padre Lombardi: "Foi apenas uma saudação no final da audiência, o Papa não entrou no mérito de Bruno

Roma, (Zenit.org) Salvatore Cernuzio | 776 visitas

Foi uma competição entre os meios de comunicação ao redor do mundo a audiência privada do Papa Francisco com o teólogo da libertação Frei Betto. De acordo com rumores, Betto teria pedido ao Papa a "reabilitação" de Giordano Bruno, condenado à fogueira pela Inquisição em 1600 por suas posições consideradas incompatíveis com a fé católica.

Mas, como muitas vezes acontece, o ‘furo’ se revelou uma bola de sabão. É verdade que o Papa se encontrou com Frei Betto, mas apenas no momento da saudação no final da audiência geral de quarta-feira, como acontece com outros fiéis. Não houve audiência privada, muito menos, discussão sobre Giordano Bruno e sua hipotética reabilitação.

A confirmação é do L' Osservatore Romano, que publicou hoje uma nota curta e concisa que diz: "Ao contrário do publicado ontem, 10 de abril, por alguns meios de comunicação, não houve audiência em Santa Marta do Papa Francisco com Frei Betto mas, como de costume, no final da audiência de quarta-feira com os fiéis, apenas um breve encontro no adro da Praça de São Pedro, durante o qual o Pontífice se limitou a escutá-lo e saudá-lo.”

Padre Federico Lombardi esclareceu: "O Papa não recebeu Frei Betto em Santa Marta, não foi um colóquio articulado”,  mas apenas "uma saudação de passagem, como parte do chamado ‘beija-mão’ ao final da audiência”.  Papa Francisco- disse o diretor da Sala de Imprensa do Vaticano – “parou por um momento, ouviu e terminou, como costuma fazer, convidando a rezar”. Claro, Lombardi reiterou, "não tinha a intenção de entrar no mérito de Giordano Bruno”. Portanto, o breve encontro "não deve ser transformado em algo que não é".

Para levantar a poeira, o teólogo dominicano disse, em várias entrevistas, que pediu ao Papa a “reabilitação de Giordano Bruno e Meister Eckhart, dois dominicanos como eu...". Conforme referido por Betto, o Papa teria respondido com um sorriso e com as palavras: "Reze por isso". Sentença revista e apresentada como uma intenção do Papa em satisfazer o desejo do dominicano.

Frei Betto, que está na Europa para apresentar o seu livro "Um homem chamado Jesus", disse também que havia pedido ao Papa que, “como pai amoroso, dialogue sempre com a Teologia da Libertação, que é uma filha fiel à Igreja”. Mas parece que não houve nenhuma resposta de Francisco a este pedido.

(Trad.:MEM)