Ennio Morricone: “a fé está sempre presente em minha música”

Renomado compositor fala a ZENIT sobre a espiritualidade de seu trabalho

| 2393 visitas

Por Edward Pentin

ROMA, terça-feira, 15 de setembro de 2009 (ZENIT.org).- Pode ser que você não reconheça o nome, mas seguramente já escutou sua música. O maestro Ennio Morricone é considerado um dos melhores compositores de partituras de filmes de Hollywood.

Para muitos católicos, talvez seja apreciado pela música do filme “A Missão”, de 1986, sobre os jesuítas missionários na América do Sul do século XVIII. Mas sua contribuição à indústria do cinema estende-se a mais de 450 filmes, tendo ele trabalhado com os principais diretores de Hollywood, desde Sergio Leone a Bernardo Bertolucci, Brian De Palma ou Roman Polanski.

E com 80 anos segue em plena ebulição. O compositor acaba de terminar o arranjo musical de “Baaria”, de Giuseppe Tornatore, um filme italiano que abriu o Festival de Veneza deste ano. Quentin Tarantino o havia convidado para compor a música de seu mais recente filme, “Bastardos sem glória”, mas dificuldades de calendário impediram Morricone de realizar este trabalho. No entanto, ele permitiu que Tarantino usasse passagens de sua obra no filme.

O renomado compositor italiano também continua colecionando prêmios: no início do ano, Nicolas Sarkory, presidente da França, o nomeou Cavaleiro da Ordem da Legião de Honra, o mais alto reconhecimento do país. Isso se soma a uma longa lista de outros reconhecimentos, incluindo o Prêmio de Honra da Academia, cinco nomeações ao Oscar, cinco Baftas e um Grammy.

Apesar disso, o maestro Morricone, que nasceu em Roma, prefere manter-se longe das câmeras e raramente concede entrevistas. Por isso, foi uma surpresa quando ele amavelmente aceitou abrir uma exceção para ZENIT, tendo nos recebido em seu apartamento no centro da Cidade Eterna, para falar principalmente sobre sua fé e sua música.

Em seu apartamento se destaca um impecável piano preto ao lado da janela de uma grande sala decorada com muito bom gosto, artisticamente revestida de murais e quadros clássicos. Mas Morricone, casado, com quatro filhos já adultos, é um homem simples, e responde as perguntas do modo típico romano: diretamente.

Inspiração

Começo perguntando se sua música, que muitos consideram muito especial, está inspirada por sua fé. Ainda que se descreva como um “homem de fé”, adota um ponto de vista muito profissional em seu trabalho. 

“Penso na música que tenho de escrever, a música é uma arte abstrata –explica. Mas, no entanto, quando tenho de escrever uma peça religiosa, certamente minha fé contribui”.

Ele acrescenta que tem interiormente uma “espiritualidade que sempre permanece em minha composição”, mas não é algo que deseja fazer presente, simplesmente o sente.

“Como crente, esta fé provavelmente está sempre ali, mas corresponde aos outros se darem conta dela, os musicólogos e os que analisam não só as peças de música mas que também têm uma compreensão de minha natureza, e do sagrado e do místico”, explica.

Ele reconhece que crê que Deus o ajuda a “escrever uma boa composição, mas essa é outra história”.

Morricone dá uma similar resposta profissional e honesta quando questionado se tem algum remordimento ao escrever música para filmes gratuitamente violentos.

“É-me pedido que me coloque a serviço do filme –diz. Se o filme é violento, então componho música para um filme violento. Se é um filme sobre o amor, trabalho para um filme de amor. Talvez possam existir filmes violentos em que há sacralidade ou elementos místicos, mas não busco voluntariamente estes filmes. Tento conseguir um equilíbrio com a espiritualidade do filme, mas o diretor nem sempre pensa da mesma maneira”.

Ennio Morricone iniciou sua carreira musical em 1946 após receber um diploma de trompetista. No ano seguinte, já era compositor de música de teatro, assim como músico em uma banda de jazz, para manter sua família. Mas sua carreira na música cinematográfica começou em 1961, quando começou a trabalhar com seu velho amigo de escola, Sergio Leone, e sua série de bang bang italiano, os "western spaghetti" ("Por um punhado de dólares", "O dólar furado"...).

Talvez seja mais famoso por este gênero, apesar de lembrar que estes filmes representam apenas 8% de seu repertório, e que rejeitou uma centena de outros filmes similares. “Todos me pediam para fazer western, mas tentei não fazê-los porque prefiro a variedade”.

Milagre técnico

Falando de “A Missão”, diz que o grandioso da partitura deste filme era seu “efeito técnico e espiritual”. Com isso, refere-se ao modo como se conseguiu combinar os três temas musicais do filme. A presença de violinos e o oboé de padre Gabriel representam “a experiência do Renascimento do progresso da música instrumental”. O filme logo move-se para outras formas de música que surgiram da reforma da Igreja do Concílio de Trento, e acaba na música dos nativos indígenas.

O resultado foi um tema “contemporâneo” em que os três elementos combinaram-se harmoniosamente ao final do filme. “O primeiro e o segundo tema vão juntos, o primeiro e o terceiro podem ir juntos, e o segundo e o terceiro vão juntos –explica. Isso era um milagre técnico e creio que foi uma grande bênção”.

O compositor italiano assegura que não tem a fórmula para uma partitura cinematográfica de sucesso. “Se o soubesse, teria escrito mais música como essa”, disse, acrescentando que a qualidade da música depende de estar feliz ou triste.

“Quando era menos feliz, sempre me salvei com profissionalismo e técnica”, reconhece. Não menciona nenhuma peça ou filme favorito. “Gosto de todos porque me deram algum tipo de tormento e sofrimento quando trabalhava neles, mas não devo e não quero fazer distinções”, diz.

Passamos ao tema de outro sutil músico: o Papa Bento XVI. Morricone diz que tem “muito boa opinião” do Santo Padre. “Parece-me que é um Papa de mente sábia, um homem de grande cultura e também de grande força”, afirma.

É especialmente elogioso com os esforços de Bento XVI de reformar a liturgia, um assunto que Morricone sente com grande força.

“Hoje a Igreja cometeu um grande erro, atrasando o relógio 500 anos com as guitarras e as canções populares –argumenta. Nada disso me agrada. O canto gregoriano é uma tradição vital e importante da Igreja e desperdiçá-lo por misturas juvenis de palavras religiosas e profanas, canções ocidentais, é extremamente grave, extremamente grave”, enfatiza.

Afirma que é voltar atrás os ponteiros do relógio porque o mesmo sucedeu antes do Concílio de Trento, quando os cantores mesclavam o profano com a música sagrada. “O Papa faz bem em corrigir isso –observa. Deveria corrigi-lo com muito mais firmeza. Algumas igrejas têm levado em conta suas correções, mas outras não”.

O maestro Morricone parece em forma e consideravelmente mais jovem que sua idade, o que lhe permite seguir dando concertos ao redor do mundo. De fato, está mais solicitado que nunca: no próximo mês interpretará suas composições no Anfiteatro de Hollywood, em Los Angeles.

Apesar de toda essa fama e distinções, este grande compositor não perdeu nada de sua humildade e realismo romano. É talvez isso, mais que suas comoventes e únicas composições, que faz dele um dos grandes nomes de Hollywood.