Ensino Religioso favorece o convívio e o respeito entre sujeitos diferentes

Considerações de um bispo no Brasil a respeito do Acordo entre a Santa Sé e o país

| 2047 visitas

PETRÓPOLIS, segunda-feira, 17 de novembro de 2008 (ZENIT.org).- O bispo de Petrópolis (Rio de Janeiro), Dom Filippo Santoro, considera que o Ensino Religioso «é um ponto decisivo» na «batalha por uma sociedade feita de vários sujeitos diferentes que convivem e se respeitam».

O prelado escreveu aos fiéis na sexta-feira passada, um dia após a assinatura do Acordo entre a Santa Sé e o Brasil que define o estatuto jurídico da Igreja Católica no país.

Segundo Dom Filippo Santoro, entre os muitos pontos de «grande importância» do Acordo, destaca-se o reconhecimento do Ensino Religioso, seja ele católico como de outras confissões religiosas, nas escolas públicas do ensino fundamental.

«Esta forma de Ensino que podemos chamar “pluri-confessional” está plenamente em sintonia com quanto previsto pela Constituição Federal e pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação», afirma o bispo.

«É inegável que o ensino religioso não deve ser entendido como alusivo a uma ‘religião genérica’, a-confessional, indefinida, já que uma tal ‘religião’ não existe. Seria pura abstração mental, sem correspondência na realidade da vida e da sociedade humana.»

E se o Estado quisesse administrar esta forma de ensino genérica –prossegue o prelado–, «esta sim seria contra a laicidade do próprio Estado porque ele não possui uma religião própria, mas deve respeitar as formas religiosas que se encontram na sociedade».

Segundo o bispo de Petrópolis, o ensino religioso «é sim ‘confessional’, mas é, ao mesmo tempo, pluralista, enquanto o Estado oferece aos alunos de todos os credos os ensinos religiosos próprios, em conformidade com sua identidade de fé, e é perfeitamente democrático e leigo, porque só será ministrado aos que, livre e facultativamente, o requeiram».

«Trata-se de um Ensino Religioso entendido como área de conhecimento e não como catequese ou iniciação, que é a tarefa das denominações religiosas», explica.

Dom Filippo considera que a temática do Ensino Religioso «é um ponto decisivo desta batalha por uma sociedade feita de vários sujeitos diferentes que convivem e se respeitam».

«Os problemas ligados à violência e ao envolvimento de menores no mundo do tráfico e do crime dependem, entre outras causas da falta de uma formação, de uma identidade, de uma visão da vida que eduque ao respeito de si e dos outros», afirma.