"Então, China, você quer se tornar um país moderno e permitir a liberdade religiosa para os cristãos?"

As possíveis implicações do diálogo entre a China e a Santa Sé depois da viagem do Papa a Coréia. Entrevista com o padre Bernardo Cervellera, diretor da Asia News

Roma, (Zenit.org) Salvatore Cernuzio | 787 visitas

"A abertura para a China", foi, na opinião de muitos, um dos pontos-chave da viagem de Francisco na Coreia do Sul. Mas o que fez o Papa parece ser só um primeiro passo em direção a um objetivo difícil de alcançar: um verdadeiro diálogo entre Pequim e a Santa Sé. Um diálogo já desejado pelos seus antecessores e que Bergoglio quer que seja, primeiro, fraterno, depois, político. Um diálogo que só pode ser alcançado quando caiam certos muros calcificados ao longo do tempo por medos e preconceitos. E o tratamento que o governo chinês dará aos 300 jovens que foram "ilegalmente" para a Jornada da Juventude asiática será um teste a este respeito. De tudo isto ZENIT conversou com o padre Bernardo Cervellera, diretor da famosa agência Asia News, um especialista em Ásia e Extremo Oriente, na longa entrevista que publicamos abaixo.

***

ZENIT: Qual gesto ou discurso do Papa na Coreia do Sul, na sua opinião, tem um significado “histórico”?

Pe. Cervellera: São muitos porque o Papa é uma personalidade completa e em tudo o que faz envia uma mensagem... No entanto, na minha opinião, o gesto mais importante também para a cultura asiática tem sido o abraço às pessoas com deficiência, ter brincado e passado tempo com as crianças abandonadas, os idosos. De fato, ali se vê a ferida da Ásia e do Extremo Oriente, um mundo que respeitava os idosos, amava as crianças, queria famílias numerosas; em vez disso, a secularização e o rápido desenvolvimento econômico dos últimos tempos afetou as pessoas enviando todos ao trabalhar por 12-13 horas por dia, deixando os idosos e as crianças sozinhas em casa ou em instituições e assim por diante.

Acima de tudo, em nome do trabalho ou para economizar dinheiro (considerando também o alto custo de vida), muitas vezes abortos ou eliminações de deficientes se tornam coisas normais, mesmo que isso esteja em desacordo com a tradição original. Este é um julgamento, por um lado, de sociedade moderna que tornou-se desumana e de um desenvolvimento econômico que não tem mais o homem no centro, mas o lucro; por outro lado, sobre certas tradições religiosas ancestrais de todo o Oriente, para as quais os deficientes são considerados um peso ou uma vergonha.

ZENIT: Como você interpreta as "aberturas" que o Papa Francisco ofereceu para a China: das palavras no discurso aos bispos coreanos aos dois telegramas para Xi Jinping, onde, entre outras coisas, o presidente não respondeu...

Pe. Cervellera: Eu não vejo novidade nestas “aberturas”. A verdadeira novidade é que tenham permitido ao voo papal atravessar o espaço aéreo chinês, embora tal gesto pareça mais uma “fachada” para salvar a imagem com a comunidade internacional. Se tivesse proibido que o avião sobrevoasse o seu território, a China teria, de fato, transmitido uma imagem de si realmente de antes dos anos 60-70. Com relação às aberturas do Papa, acho que todas as mensagens de Francisco, o desejo de ir à China “amanhã mesmo” como disse na coletiva de imprensa no voo de regresso, já estão dentro da história de João Paulo II e de Bento XVI. O desejo de abrir uma relação com a China ou um diálogo com os países com os quais não se tem relações diplomáticas (atualmente a Coréia do Norte, Laos, Myanmar e Vietnã n.d.a) todos os Papas disseram desde o dia das suas eleições.

ZENIT: Portanto, na sua opinião, não existe um fator de novidade na abordagem de Bergoglio sobre o tema com relação aos de seus antecessores?

Pe. Cervellera: Acho que o "belo e bom", o mais importante entre as coisas que disse o Papa Bergoglio até agora seja: "Eu não penso tanto no diálogo político, penso no diálogo fraterno". Esta é a novidade! Todos aqueles - jornalistas e não, observadores da China, personalidades do Vaticano - que pensam que as relações diplomáticas entre a China e a Santa Sé sejam a coisa mais importante, a prioridade para se trabalhar, foram desmentidos pelo Papa que disse: "Sim, isso deve ser feito, mas pensemos primeiro nas relações fraternas, num diálogo entre pessoas... ", ou seja, num desejo de fazer-se o bem mutuamente, muito além das classificações políticas e dos tratados bilaterais.

ZENIT: Alguns dizem que com este Papa latino-americano se oferece uma imagem do Pontífice não como "expressão do poder ocidental". O bicho-papão é, portanto, ainda aquele do ocidentalismo imperante ou dos cristãos conquistadores? No entanto, Bento XVI tinha deixado claro com firmeza na sua carta aos chineses do 2007 (citada pelo próprio Papa), afirmando que "a Igreja Católica que está na China não tem a missão de mudar a estrutura ou a administração do Estado, mas sim de anunciar Cristo aos homens "...

Pe. Cervellera: Bah... Sim, algumas pessoas pensam que o fato do papa ser latino-americano facilite as coisas, mas eu não estou de acordo. Na verdade eu acho que há uma grande continuidade entre os três últimos papas a este respeito. Não me digam que João Paulo II era um representante da política ocidental! Logo ele que colocou-se contra todo o mundo ocidental que queria a guerra com o Iraque e disse "Não". E Bento XVI? O Papa emérito que no discurso de Regensburg atacou a cultura ocidental racionalista que justamente se baseia na dominação e exploração. Infelizmente aquele discurso foi banalizado por todos, reduzindo-o a uma frase citada do famoso Miguel o Paleólogo que fizeram parecer como se fosse um ataque contra o Islã... Na verdade o discurso de Regensburg  é justamente uma crítica dura ao racionalismo da cultura ocidental e, portanto, do colonialismo, à tentação de domínio inerente à cultura ocidental.

ZENIT: O diálogo com a China, no entanto, permaneceu uma estrada inacabada nos pontificados anteriores. Com Bergoglio seria possível dar passos mais concretos?

Pe. Cervellera: Eu não sei. Mas posso dizer que este Papa tem uma potência a mais, e é a de mostrar-se indefeso, humilde, que de alguma forma "arrisca” pessoalmente. Talvez com os outros papas, se entendia que por detrás havia uma Curia, um Ministério do Exterior, um aparato. Francisco se coloca pessoalmente no campo e diz: "Eu não me importo que algum político chinês venha ao Vaticano, ou vice-versa, estou interessado no diálogo entre eu e tu, entre Francisco e Xi Jinping, entre o Papa e um chinês...". Porque através da compreensão um do outro, da descoberta dos preconceitos tudo se tornaria mais fácil. Ele já superou certos preconceitos dizendo: "Olhem que os cristãos não vêm para conquistar nada. Não vêm para destruir as culturas, mas sim para fortalecê-las". Hoje o reiterou ainda mais claramente na sua catequese da audiência geral.

ZENIT: Esta é, portanto, a posição da Santa Sé. Por outro lado, no entanto, qual é posição? De acordo com o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, "a China sempre foi sincera ao melhorar as suas relações com o Vaticano e sempre fez esforços positivos neste sentido". Estas afirmações são verdadeiras para você?

Pe. Cervellera: Esta é a única resposta oficial. No entanto, me parece um pouco condicionada, no sentido de que foi uma agência francesa que pediu especificamente uma declaração para o ministro que, em seguida, deu uma resposta que, de fato, evita a verdadeira resposta. Todos, de fato, em primeiro lugar os jornalistas, aplaudiram estas palavras: "A China sempre pensou em melhorar as relações!". Mas se a China sempre pensou em melhorar as relações, como é possível que desde 2007 exista uma carta de Bento XVI para o governo chinês, com sugestões sobre como abrir um diálogo e que ainda não foi respondida? Em sete anos, nunca encontraram tempo para responder?

ZENIT: Uma resposta agora, por exemplo, poderia ser o tratamento que o governo vai dar aos 300 jovens que, apesar das pressões e ameaças, participaram da Jornada da Juventude Asiática?

Pe. Cervellera: Sim, isso seria uma resposta concreta, por duas razões. Primeiro de tudo, para ver o andamento da política chinesa que mostra claramente como a China ainda não saiba como agir com o Vaticano e a Igreja Católica. Até fevereiro, de fato, havia cerca de 150 jovens que queriam ir para a Coréia e as autoridades deram a permissão. Parecia não haver nenhum problema. Porém, quando houve o anúncio por volta de maio que o Papa estaria lá, começou todo um trabalho da Frente Unida, Departamento de Assuntos religiosos, autoridades provinciais e locais para convencer, ameaçar, bloquear aqueles que queriam participar. Até os empregadores e os diretores das escolas participaram desta campanha dissuasiva dizendo aos meninos para não ir, porque "é uma coisa proibida", "não queremos que vocês sejam doutrinados pelo Papa”, etc. Portanto, tiraram o passaporte de alguns, ameaçaram outros de perder seus empregos e assim por diante.

Isso prova o que eu disse: a China ainda não sabe como agir com relação ao Vaticano, não entendeu que o Papa é uma pessoa de fé, não um líder político que conspira contra os chineses. A história dos 300 jovens destaca também que a Igreja agora na China vê como um obstáculo inútil todos os limites à liberdade religiosa. Todos esses jovens fizeram um slalom contra as diversas proibições e foram assim mesmo para a Coreia, assumindo os riscos e o perigo. Esperemos agora que ao voltar não sofram retaliações...

ZENIT: Nada se sabe ainda sobre isso?

Pe. Cervellera: Nós não ouvimos nada, até mesmo porque agora há um controle espasmódico de celulares, sites... Em qualquer caso, este será o teste decisivo: todos aqueles que dizem que começou uma nova era entre a China e o Vaticano verifiquem, por favor, o que acontecerá com estes jovens. Se não lhes acontecer nada, então, esse será um maravilhoso sinal de novidade por parte da China; se acontecer algo quer dizer que a China ainda vive atrasada no tempo e não sabe o que fazer.

ZENIT: À luz de tudo isso, na sua opinião, é possível ou não um novo curso entre a Santa Sé e Pequim? Ou o ramo de oliveira estendido pelo Pontífice permanecerá sem resposta como os dois telegramas para o presidente?

Pe. Cervellera: A minha impressão é que não há um novo curso, mas um novo impulso por parte da Igreja, do Papa e do Vaticano para dizer "Então, China, quer se tornar um país moderno e permitir a liberdade religiosa aos cristãos e às outras religiões?". Também porque a Coreia demonstrou claramente o que a Igreja faz para o desenvolvimento da sociedade, do homem, da reconciliação dos povos ... E então "entende o que você está perdendo, China, no bloqueio dos cristãos?". Por agora vejo este ímpeto da Igreja, onde, ao mesmo tempo, existe um medo por parte do governo de Pequim em responder.

ZENIT: Por que esse medo?

Pe. Cervellera: Por que, de fato, o Partido Comunista da China ainda está dividido entre aqueles que querem preservar os privilégios do monopólio do poder do partido não admitindo assim nenhum tipo de liberdade de religião; e aqueles que, pelo contrário, dando a volta ao mundo e observando os outros países, veem que a liberdade religiosa é um alimento que pode produzir frutos bons na sociedade. Por exemplo, a cura  dos deficientes e dos migrantes que são muitíssimos na China, mas que não tem ninguém que cuide deles. Os chineses estão divididos no individualismo entre um grupo e outro, entre uma província e outra, e a Igreja poderia oferecer uma oportunidade de reconciliação. Enquanto, porém, não "vença" a parte mais liberal, será difícil ter alguma chance de diálogo.