"Entender o verdadeiro significado da cruz"

Intervenção "por escrito" de Dom John Ebebe Ayah, bispo de Ogoja, Nigéria

| 1469 visitas

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 23 de outubro de 2012 (ZENIT.org) - Publicamos aqui o pronunciamento do Bispo da diocese de Ogoja, Nigéria, Dom John Ebebe Ayah, entregue por escrito, no dia 19 de outubro, aos Padres Sínodais.

Estou feliz de compartilhar com vocês as recentes alegrias e ansiedades da Igreja na Nigéria, que está empenhada em testemunhar Cristo diante do terrorismo popularmente conhecido como Boko Haram. Esta situação leva os cristãos nigerianos a uma reflexão e uma apreciação mais profunda do valor do martírio, estimado pela Igreja. Ao contrário da mensagem de prosperidade, os católicos nigerianos, em particular, têm vindo a compreender o verdadeiro significado da Cruz como participação na paixão de Cristo. E a própria vida se transforma em uma peregrinação de fé com o Senhor Jesus em direção ao Calvário. Ser cristão, no contexto nigeriano, vai além da participação nas missas aos domingos.

Um esboço da perspectiva do fenômeno Boko Haram na Nigéria:

- Vale a pena notar que os cristãos não são os únicos que perderam suas vidas por causa das bombas e tiros de Boko Haram, mas, como mostra algumas estatísticas, também muitos muçulmanos.

- Nem todos os muçulmanos defendem o que o Boko Haram procura difundir na Nigéria. Muitos admiram as virtudes cristãs de amor e de paz, que segundo eles também são promovidas pelo Alcorão.

- Muitos de nossos irmãos e irmãs muçulmanos desejam se converter ao cristianismo, mas não pode fazê-lo por medo de perder suas vidas. Enquanto a Igreja universal celebra o Ano da Fé, os bispos nigerianos exortam os seus rebanhos a observar o seguinte:

- Nós católicos devemos exercitar a paciência em nossos contatos com aqueles que se opõem e lutam contra os nossos interesses, sem recorrer à violência e muito menos à vingança;

- Devemos continuar a falar de paz com os nossos detratores, buscando maneiras significativas e maduras de diálogo que, ao longo do tempo, pode levar a paz e a concórdia duradoura;

- Nossos esforços para trabalhar em favor do diálogo e da paz não devem ser interpretados como sinal de fraqueza, mas sim como um sinal da força que vem do Senhor Jesus, que é a nossa ressurreição e vida;

- Devemos promover uma catequese sólida nas famílias, escolas e pequenas comunidades cristãs.

Finalmente coloquemos todos os nossos esforços a favor de uma paz duradoura nas mãos de nossa mãe bendita, a Medianeira de todas as graças.

(Trad.MEM)