Escola católica expressa direito à liberdade de educação, afirma Papa

Deve ser consciente de sua contribuição para o bem comum da sociedade

| 1424 visitas

CASTEL GANDOLFO, quinta-feira, 25 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- A escola católica é uma manifestação concreta do direito à liberdade de educação, assegura Bento XVI.

Assim se expressou o pontífice hoje, ao receber em audiência, no palácio apostólico de Castel Gandolfo, vários representantes dos centros educativos católicos italianos, que participam de um encontro promovido pelo Centro de Estudos para a Escola Católica (CSSC), da Conferência Episcopal Italiana.

«A escola católica é uma expressão do direito de todos os cidadãos à liberdade de educação, e do correspondente dever de solidariedade na construção da sociedade civil», afirmou o Papa, citando um documento do episcopado italiano.

«Para ser escolhida e valorizada, é necessário que a escola católica seja conhecida em sua tarefa pedagógica; é necessário que se tenha uma consciência madura não só de sua identidade eclesial e de seu projeto cultural, mas também de seu significado civil», explicou Bento XVI.

Este interesse «não deve ser considerado como a defesa de um interesse parcial, mas como uma contribuição preciosa para a edificação do bem comum de toda a sociedade», acrescentou.

Neste sentido, o Papa advogou pela igualdade entre a escola pública e a católica, «que permita aos pais a liberdade de escolha sobre a escola que desejam».

«Ficou claro que o recurso à escola católica em algumas regiões da Itália está em crescimento com relação à década passada, apesar de ainda haver situações difíceis e inclusive críticas», acrescentou.

A escola católica tem um papel importante, acrescentou, pois é instrumento da «missão salvífica da Igreja» no qual «se cumpre a estreita união entre o anúncio da fé e a promoção do homem».

O pontífice elogiou o trabalho realizado pelo CSSC durante estes 10 anos de pesquisa sobre a realidade da escola católica e que foi possível, reconheceu, graças à colaboração entre todos os agentes educativos e o Ministério da Educação.