Espanha: a cruz, sinal de amor

Comemoração Jubilar na diocese de Santander

| 783 visitas

SANTANDER, terça-feira, 17 de abril de 2012 (ZENIT.org) – Neste último domingo, 15 de abril, o bispo de Santander, no norte da Espanha, dom Vicente Jiménez Zamora, abriu a Comemoração Jubilar Lebaniega, que se estenderá até setembro, celebrando os 500 anos da bula do papa Júlio II que possibilitou, desde 1512, a celebração do Jubileu de São Turíbio de Liébana, localidade da comunidade autônoma da Cantábria.

A comemoração começou com uma missa no mosteiro situado aos pés do maciço dos Picos de Europa, onde está guardada a sagrada relíquia do Lignum Crucis, o maior fragmento da Cruz de Cristo conservado no mundo.

Na homilia da celebração eucarística, dom Vicente afirmou: "É um tempo de graça e de salvação, em que Deus chama todos nós, pastores e fiéis, a uma profunda renovação da nossa fé e da nossa vida cristã. É uma oportunidade para peregrinarmos até este mosteiro de São Turíbio, ganhar a indulgência plenária e venerar o Lignum Crucis, a relíquia insigne do maior fragmento da cruz, conservado aqui desde o século VIII e trazido de Jerusalém no século V por São Turíbio, bispo de Astorga. Mantenhamo-nos atentos neste período para escutar a voz do Senhor e para pôr em prática o que o Espírito Santo diz à nossa Igreja".

“Ao venerarmos hoje e durante este ano o Lignum Crucis, a nossa veneração não fica no insigne pedaço do lenho da cruz, o maior do mundo, mas vai até Cristo, que deu a vida por amor na cruz”, concluiu o bispo.

A Comemoração Jubilar Lebaniega vai até 14 de setembro, festa da Exaltação da Cruz. Até lá, os fiéis que peregrinarem ao mosteiro poderão ganhar a indulgência plenária, concedida pela Santa Sé de maneira extraordinária através da Penitenciaria Apostólica.

O lema deste acontecimento espiritual é “A Cruz, sinal de Amor”. O bispo de Santander destaca que “será um tempo de particular graça para a nossa diocese de Santander”.

Em carta pastoral, dom Jiménez indica que esta Comemoração Jubilar Lebaniega “é também um chamamento ao testemunho da caridade e do amor pelos mais pobres e necessitados, porque precisamos levar em conta as pessoas que sofrem ou passam necessidades econômicas nestes tempos presentes”.

Este período de graça não é um Ano Santo, que acontece apenas quando a festa de São Turíbio de Liébana (16 de abril) cai em domingo, como será o caso em 2017.

Na missa de abertura deste período jubilar, estiveram presentes os bispos das quatro dioceses que formam a Província Eclesiástica de Oviedo, à qual pertence a de Santander. No domingo, além do bispo de Santander, participaram o arcebispo de Oviedo, dom Jesús Sanz; de Astorga, Camilo Lorenzo, e de León, Julián López, bem como os seis vigários episcopais da diocese de Santander, encabeçados pelo vigário geral, padre Manuel Herrero, e numerosos sacerdotes do clero diocesano.

O mosteiro de São Turíbio de Liébana é regido desde 1961 por uma comunidade de padres franciscanos comandada pelo padre João Manuel Núñez Cid, atual guardião do mosteiro.

A imagem do cartaz da Comemoração Jubilar Lebaniega é obra do ilustrador cântabro José Ramón Sánchez e representa a relíquia do Lignum Crucis sobre um fundo com os picos nevados da região. Na base, um cálice “recorda a relação de amor que existe entre a Cruz do Senhor e a Eucaristia”, explica o padre Manuel Herrero. Em direção ao cálice caminha um grupo de peregrinos, “para se impregnarem do amor de Cristo”.

O bispo de Santander, na carta pastoral, destaca que Liébana, junto com Jerusalém, Roma e Santiago de Compostela, é um dos lugares do mundo onde se ganha o jubileu, e recorda que, embora a bula de Júlio II tenha sido concedida em 23 de setembro de 1512, “sabemos que o jubileu já era celebrado aqui desde tempo imemorial”.

Para mais informação: www.diocesisdesantander.com.