Espanha: Cáritas se manifesta frente às eleições

Apresentam documento na Universidade Pontifícia de Salamanca

| 1108 visitas

MADRI, domingo, 30 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – A Universidade Pontifícia de Salamanca (UPSA) apresentou esta semana em Madri um documento elaborado pela Cáritas, no qual a organização humanitária da Igreja Católica faz propostas políticas diante dos desafios vividos hoje pela sociedade espanhola.

O documento foi enviado aos representantes políticos de todo o arco parlamentário e das mais altas instituições do Estado, vidando a iluminar os programas dos partidos diante das próximas eleições gerais antecipadas de 20 de novembro.

No Auditório João Paulo II, da sede madrilena da UPSA, apresentou-se o documento enviado aos parlamentares – “Propostas políticas da Cáritas Espanhola diante dos desafios atuais da situação social” –, em coincidência com a inauguração de uma nova edição do mestrado em Orientação e Mediação Familiar, organizado pelo Instituto Superior de Ciências da Família da UPSA.

A Cáritas se considera interlocutora qualificada para propor uma série de critérios de atuação pública em matéria de política social – de maneira estruturada e à luz da sua experiência diária de trabalho com as vítimas da exclusão – que contribuam para superar as estruturas de desigualdade ainda presentes na Espanha.

Partindo de um “espírito de colaboração, transparente e democrático”, a Cáritas Espanhola entende que a próxima convocação de eleições gerais “oferece a todos os grupos políticos e agentes sociais uma oportunidade que é necessário aproveitar para progredir na superação de uma situação social especialmente delicada e cujos efeitos sobre as pessoas mais desfavorecidas são publicamente conhecidos”.

Para fazer as propostas, a Cáritas se valeu dos informes realizados nos três últimos anos, tanto por meio da Fundação FOESSA como por meio do Observatório da Realidade Social sobre os efeitos sociais da crise, “a partir dos sintomas que detectamos sobre as necessidades e o perfil dos usuários dos nossos centros e serviços em todo o Estado”.

“O objetivo – explicou o secretário-geral da Cáritas, Sebastián Mora, na apresentação das Propostas – é impulsionar entre todos os responsáveis políticos o consenso necessário e urgente para colocar as bases dessa nova ordem social que os mais empobrecidos estão nos exigindo.”

“Acreditamos – acrescentou – que é hora de estabelecer uma nova ordem de prioridades por parte do conjunto dos poderes públicos que permita abordar, com autêntica visão de futuro e de maneira sólida, a solução das matérias ainda pendentes na estrutura econômica e social do Estado, e que impediram, de forma recorrente nas três últimas décadas, o acesso a umas mínimas condições de bem-estar e de dignidade de uma parte importante de cidadãos e cidadãs que continuam vivendo abaixo do limiar da pobreza.”