Estados Unidos: Estamos interessados ​​no debate sobre a imigração precisamente porque somos Igreja católica

Palavras de dom José H. Gómez, presidente da Comissão para os Migrantes na Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos

Roma, (Zenit.org) | 461 visitas

Um relatório do departamento de orçamento do Congresso dos Estados Unidos, publicado nesta segunda-feira, 29 de julho, indica que, se aprovada a reforma da lei de imigração, um em cada quatro imigrantes indocumentados que vivem no país não conseguirá regularizar a sua situação por falta de algum dos requisitos. Desta forma, dos mais de 11 milhões de imigrantes ilegais que vivem nos Estados Unidos, cerca de 8 milhões terão possibilidades de obter a cidadania.

Há algumas semanas, o senado dos EUA aprovou um projeto de reforma para a legalização dos indocumentados. A aprovação do projeto pela Câmara dos Deputados tornou-se mais complicada devido à oposição de muitos legisladores republicanos, que, entre outras coisas, não querem ver concedida a cidadania norte-americana aos imigrantes ilegais que conseguirem legalizar sua situação.

A agência Fides reproduziu a opinião do arcebispo de Los Angeles, dom José H. Gómez, presidente da Comissão da Conferência Episcopal para os Migrantes: "Estamos interessados ​​no debate sobre a imigração precisamente porque somos Igreja católica. O debate sobre a imigração é um debate sobre o futuro da Igreja e do nosso povo católico. Os mexicanos e latino-americanos, que estão no centro da polêmica, que são milhões de pessoas cujos destinos são decididos pelos nossos políticos, são em grande parte fiéis católicos", destacou o arcebispo. "A Igreja não leva em conta a procedência dos seus fiéis, mas calcula os números com base nos batismos de crianças. Los Angeles, por exemplo, tem uma média de 84.000 recém-nascidos e bebês por ano. A maior parte deles é hispânica e de outras minorias étnicas".

(Fonte: FIDES)