Estados Unidos: o que os bispos aprenderam sobre vítimas de abusos

Os sobreviventes ficam preocupados com as estratégias de prevenção

| 1565 visitas

WASHINGTON, quarta-feira, 19 de maio de 2010 (ZENIT.org).- A Comissão Nacional de Revisão da Conferência Episcopal dos Estados Unidos publicou um conjunto de dez lições extraídas do trabalho com as vítimas ou sobreviventes de abusos infantis por parte do clero.

A lista foi preparada pela presidente da Comissão, Diane Knight, e foi publicada na sexta-feira passada pela conferência episcopal.

"Aprendemos que falta uma grande coragem por parte de uma vítima/sobrevivente para dar um passo adiante e revelar sua história depois de anos, às vezes décadas, de silêncio e sentimentos de vergonha", afirma o comunicado.

"Para a vítima/sobrevivente, no final é muito importante simplesmente ser compreendida", acrescenta.

Knight afirma que, "apesar de sua própria dor e sofrimento, muitas vítimas/sobreviventes estão preocupados por que a Igreja evite que esse tipo de abuso aconteça a mais crianças, assim como estão preocupados por si mesmos e suas próprias necessidades de cura".

"Enquanto a história de cada pessoa é diferente, o comum é a violação da confiança", afirma.

Knight acrescenta que "alguns sobreviventes não confiam absolutamente em nada, até hoje, enquanto outros foram capazes de trabalhar através dessa dor, com a ajuda e o apoio de seus entes queridos".

"Aprendemos que na atualidade existem métodos de terapia que funcionam especialmente bem com e para sobreviventes de abusos sexuais infantis e que os indivíduos podem ser ajudados, mesmo depois de muitos anos de tentativa sem êxito de simplesmente esquecer-se dos fatos", afirma.

O comunicado da comissão afirma ainda que "nós aprendemos que o abuso roubou de algumas vítimas/sobreviventes sua fé. Para alguns, isso significa a perda de sua fé católica, mas para outros significa a perda total da fé em um Deus". 

"Aprendemos, contudo, que temos muito a aprender", conclui o comunicado.

A Comissão Nacional de Revisão é um grupo consultivo de 13 leigos com experiência em áreas como direito, educação, meios de comunicação e ciências da saúde.

A Comissão foi criada em 2002, quando os bispos dos Estados Unidos aprovaram a "Carta para a Proteção de Crianças e Jovens". A Comissão Nacional de Revisão está atualmente trabalhando em "Causas e Estudo de Contexto", sobre casos de abuso sexual de menores por sacerdotes, que está sendo desenvolvido pelo Colégio John Jay de Justiça Criminal e será publicado em 2011.

 Para ter acesso ao comunicado original em inglês, acesse: www.usccb.org/comm/archives/2010/10-095.shtml