Estende-se violência contra cristãos na Índia

Várias igrejas atacadas no domingo passado

| 932 visitas

Por Inma Álvarez

NOVA DELI, quarta-feira, 17 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- Longe de diminuir, os atos de violência contra os cristãos se estenderam a outros estados da Índia, segundo informa a Conferência Episcopal Católica da Índia (CBCI).

No domingo passado, várias igrejas e centros de culto cristão foram atacados em Mangalore, Udupi e Belthangady (Karnataka), supostamente por ativistas do Bajrang Dal. Na capela católica de Milagres, um crucifixo e uma imagem de São José foram despedaçados.

No total, 13 centros foram atacados, 4 deles católicos, e vários fiéis, entre eles mulheres e crianças, foram golpeados pelos assaltantes. Nesta ocasião, o principal alvo eram as igrejas pentecostais, a quem o Bajrang Dal acusa de promover as conversões.

Trata-se dos ataques mais graves registrados nos últimos dias após a tragédia de Orissa. Sete pessoas, inclusive dois pastores protestantes e uma monja católica, ficaram feridos.

Poucas horas depois de tomar conhecimento dos ataques, milhares de cristãos se manifestaram em Mangalore, cercando várias estradas, inclusive a rodovia 17, sendo brutalmente reprimidos pela polícia.

Em Madhya Pradesh, a igreja Msihi Mandir, pertencente à Igreja do Norte da Índia (protestante) foi atacada e queimada no sábado passado.

Segundo afirmou à agência Asianews o porta-voz da diocese de Cuttack-Bhubaneshwar, Pe. Dibyasingh Parichha, no domingo passado «foram incendiadas 12 casas de cristãos no povoado de Makabali, mais outras duas em Debari e Murudikupuda. Na segunda-feira foi assassinado um cristão perto de Raikia».

Também no vizinho estado de Kerala, no distrito de Kasargode, registrou-se um assalto contra um asilo católico durante a noite de 14 a 15 de setembro.

Por outro lado, no epicentro da violência, o estado de Orissa, os ataques continuam. O reverendo Patnayak, do Orissa Missionary Movement, denunciou que na noite do sábado várias igrejas foram queimadas em Anchhla, Borigumma e Koraput.

Os bispos católicos condenaram os ataques em Karnataka, em uma nota emitida pela CBCI e assinada pelo porta-voz, Babu Joseph, e pedem às autoridades que façam o possível por deter a violência.

O presidente da Conferência, cardeal Varkey Vithayathil, expressou sua dor e estupor pelos ataques contra os cristãos, e afirmou que tais ataques «são a manifestação da crescente intolerância de certos setores da sociedade, que desafiam claramente os direitos constitucionais dos cidadãos do país».

«Nós lhes pedimos que desistam de provocar as minorias cristãs e que sigam um caminho de diálogo e dignidade na hora de abordar as questões sociais, religiosas e políticas.»

Os bispos insistem em que os ataques não tinham recebido provocação: «a comunidade cristã se comportou até agora de forma pacífica, inclusive em situações de extrema provocação. Isso não deve ser entendido como fraqueza, mas como opção preferencial pelos princípios de uma convivência civilizada».

Rejeitam também as acusações de proselitismo, já que, insistem, a comunidade cristã «continua oferecendo seus serviços a todos os setores da sociedade da Índia sem discriminação alguma».

«As acusações infundadas de conversões fraudulentas se devem aos interesses de grupos empenhados em polarizar a sociedade segundo suas crenças religiosas. Nós, como cidadãos responsáveis da Índia, não sucumbiremos a estas táticas que buscam a divisão», acrescentam os bispos.

Por outro lado, o arcebispo de Bangalore, Dom Bernard Moraes, em sua nota de condenação dos ataques, fez um apelo à unidade dos cristãos neste momento.

«Chegou o momento dos cristãos se unirem e crescerem em força», afirmou.