Europa: retomada demográfica é urgente

Alerta é do arcebispo de Malines-Bruxelas, dom André-Joseph Léonard

| 948 visitas

BRUXELAS, terça-feira, 17 de julho de 2012 (ZENIT.org) - A família saudável é um ganho para todos, defende dom André-Joseph Léonard, em apelo urgente pela "recuperação demográfica" da Europa e por políticas de apoio à família.

O arcebispo de Malines-Bruxelas palestrou em 12 de julho sobre a crise demográfica e o papel central da família na sociedade, durante a cúpula anual entre as instituições europeias e os representantes religiosos.

Organizada a convite do presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, a reunião foi comandada pelo presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, e pelo vice-presidente do Parlamento Europeu, László Surján.

O impacto positivo do casamento

Para Léonard, o futuro da demografia na Europa exige "sustentar a família no sentido primário da palavra" (pai, mãe e filhos), "sem influências de ideologias de gênero".

"Temos que reforçar o impacto positivo da instituição do matrimônio", porque a estabilidade da família é um "valor agregado" para a sociedade, ressaltou o arcebispo belga. Essa estabilidade limita "as conseqüências desastrosas do divórcio fácil na situação econômica dos cônjuges e no desenvolvimento dos filhos".

"A boa saúde das famílias representa um ganho para todos, jovens, adultos e idosos", completa Léonard.

A opção preferencial

Recordando que "praticamente nenhum país da UE tem taxa de fertilidade que permita a simples substituição das gerações", o arcebispo exortou os países a tomarem "medidas corajosas" para corrigir esta situação preocupante.

Léonard pediu uma "opção preferencial": mais do que encontrar maneiras de "pagar aposentadorias e reembolsar os gastos com a saúde", deve-se "encorajar fortemente a retomada demográfica na Europa", explicou. Não basta "tratar os sintomas", acredita o religioso, que convoca o continente a "cortar o mal pela raiz" e dar "uma solução permanente para o problema".

Em particular, dom Léonard sugere a "adoção de políticas fiscais favoráveis ​​à família, o incentivo para o nascimento do terceiro ou até do quarto filho, a criação de estruturas de assistência à infância, ajudas para que as famílias conciliem trabalho e vida doméstica e mais valorização da contribuição econômica e social do trabalho educativo das mães".

(Trad.ZENIT)