Evangelii Gaudium, uma "bomba atômica" para as velhas estruturas eclesiásticas

Publicada hoje a primeira exortação apostólica do Papa Francisco, sobre o anúncio do evangelho no mundo atual

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 1102 visitas

Enquanto o episcopado, o clero, as pessoas consagradas e os fieis leigos esperavam o documento conclusivo da XIII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, celebrado do 7 ao 28 de outubro de 2012, sobre o tema “A nova evangelização para a transmissão da fé cristã”, o Papa Francisco mais uma vez nos surpreendeu e, de forma totalmente inesperada, embora bem pensada e refletida, publicou uma Exortação Apostólica com caráter programático para toda a Igreja, a exortação apostólica Evangelii Gaudium, sobre o anúncio do evangelho no mundo atual.

Como o mesmo pontífice escreve “Aqui escolhi propor algumas directrizes que possam encorajar e orientar, em toda a Igreja, uma nova etapa evangelizadora, cheia de ardor e dinamismo”. Sendo assim o Papa decidiu deter-se, entre outros temas, nas seguintes questões: a) A reforma da Igreja em saída missionária. b) As tentações dos agentes pastorais. c) A Igreja vista como a totalidade do povo de Deus que evangeliza. d) A homilia e a sua preparação. e) A inclusão social dos pobres. f) A paz e o diálogo social. g) As motivações espirituais para o compromisso missionário.

Se a Igreja conseguir ser melhor, sem dúvida o mundo também o será. O importante, escreve o Papa, é que “Jesus Cristo pode romper também os esquemas enfadonhos em que pretendemos aprisioná-Lo, e surpreende-nos com a sua constante criatividade divina.” Em “toda a vida da Igreja deve manifestar-se sempre que a iniciativa é de Deus” e não nossa” e é por isso que “A Igreja não cresce por proselitismo, mas por atração”.

A primeira exortação apostólica do Papa Francisco está composta por cinco capítulos revolucionários que caem como uma bomba atômica nos diversos setores da Igreja, com “consequências importantes”, reconhece o Papa.

“Não ignoro que hoje os documentos não suscitam o mesmo interesse que noutras épocas, acabando rapidamente esquecidos. Apesar disso sublinho que, aquilo que pretendo deixar expresso aqui, possui um significado programático e tem consequências importantes”, escreve o Papa.

Contudo, não é uma exortação que pretenda dar uma palavra conclusiva a todos os problemas existentes, porque, como o mesmo pontífice recorda, “acho que não se deva esperar do magistério papal uma palavra definitiva ou completa sobre todas as questões que afetam a Igreja e o mundo. Não é conveniente que o Papa substitua os episcopados locais no discernimento de todas as problemáticas que surgem nos seus territórios. Neste sentido, percebo a necessidade de avançar em uma saudável “descentralização”.

Com esta exortação, de leitura e reflexão obrigatória, tanto a nível pessoal quanto comunitário, Francisco - assim como o poverello de Assis fez há séculos - não somente quer exortar os demais a se converterem, dizendo para cada Igreja particular entrar “em um processo decidido de discernimento, purificação e reforma”. Mas, primeiramente olha para si, “dado que sou chamado a viver aquilo que peço aos outros, devo pensar também numa conversão do papado”, afirma o pontífice, porque “também o papado e as estruturas centrais da Igreja universal necessitam escutar o chamado a uma conversão pastoral”.

Para ler o texto completo da exortação clique aqui