Evangelização é o melhor serviço para reconciliação da sociedade, assegura Papa

Ao receber aos bispos do Togo

| 1131 visitas

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 22 de junho de 2007 (ZENIT.org).- A evangelização é o melhor serviço que os cristãos podem oferecer para reconciliar as feridas de uma sociedade, considera Bento XVI.



Esta é a mensagem que o pontífice deixou nesta sexta-feira, ao receber em audiência os bispos do Togo, que estavam em Roma cumprindo com sua qüinqüenal visita «ad limina apostolorum».

«Para se alcançar o estabelecimento de uma sociedade plenamente reconciliada, é primordial voltar a começar de Cristo, o único capaz de oferecer definitivamente esta graça aos seres humanos», afirmou o Santo Padre.

Por este motivo, assegurou, «a obra de evangelização é uma necessidade urgente».

Para alcançar este objetivo, sublinhou a importância dos catequistas e sacerdotes que permitem «o anúncio da palavra de Deus a seus irmãos».

O Papa constatou que os bispos do Togo «contribuíram em numerosas ocasiões ao diálogo pela reconciliação nacional, recordando a todos as exigências do bem comum, na fidelidade à verdade de Deus e do homem».

O bispo de Roma insistiu na importância da formação dos leigos para que «possam comprometer-se na vida social para trabalhar ao serviço do bem comum».

«O Compêndio da Doutrina Social da Igreja é já um instrumento precioso posto ao serviço da formação de todos e particularmente dos leigos», recomendou.

«Seu compromisso na vida pública, através do respeito da vida, da promoção da justiça, da defesa dos direitos humanos e do desenvolvimento integral do homem, é um testemunho oferecido a Cristo».

«Deste modo, os fiéis participam da construção e do desenvolvimento da nação assim como da tarefa de evangelização do mundo».

Por último, o Papa sublinhou a necessidade «de continuar no aprofundamento das relações cordiais que se dão com os muçulmanos em vosso país».

Em Togo, país de 5,7 milhões de habitantes, 24,85% são católicos, 20% são muçulmanos e o restante da população pertence a outras denominações cristãs ou mantém as crenças africanas.

Os cristãos «são indispensáveis para a concórdia e a harmonia entre todos os cidadãos, assim como para a promoção dos valores comuns à humanidade».

«Através da formação de pessoas competentes nas instituições eclesiais criadas para promover o diálogo inter-religioso favoreceis um melhor conhecimento mútuo, na caridade e na verdade, para alcançar uma colaboração eficaz no campo do desenvolvimento das pessoas e da sociedade».