Evangelizar a alma da Europa: a contribuição das comunicações sociais

Encontro em Barcelona reúne bispos responsáveis ​​pela comunicação das Conferências Episcopais da Europa, cinquenta anos depois do decreto conciliar Inter Mirifica

Roma, (Zenit.org) Redacao | 511 visitas

Cinquenta anos depois da publicação do decreto conciliar Inter Mirifica, os bispos responsáveis ​​pela comunicação social das Conferências Episcopais da Europa discutirão os desafios e as ferramentas disponíveis para comunicar o Evangelho no atual contexto cultural europeu.

O encontro será realizado em Barcelona, a convite do arcebispo local, cardeal Lluis Martinez Sistach, e é promovido pela Comissão do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE) para a Comunicação Social (CCS), presidida por dom José Ignacio Munilla Aguirre, bispo de San Sebastián, também na Espanha. A organização está a cargo do secretário geral adjunto da CCEE, pe. Michel Remery.

Quarenta participantes, entre bispos e responsáveis pelas comunicações sociais das Conferências Episcopais da Europa, debaterão sobre as formas atuais de comunicação da Igreja na Europa à luz do decreto conciliar que completa seu 50º aniversário neste ano.

Durante três dias, de 7 a 10 de novembro, os participantes avaliarão os desafios para a atividade missionária de hoje, a comunicação do papa Francisco e o uso de novas tecnologias pela Santa Sé, com a contribuição de vários especialistas. A reunião é uma oportunidade de intercâmbio sobre as boas práticas e os desafios que as novas tecnologias representam para a Igreja.

Na terra natal do artista-arquiteto Antonio Gaudí, os bispos europeus têm a oportunidade de aprofundar também como a arquitetura pode se tornar uma ferramenta de comunicação e de nova evangelização. A reunião contará com a presença do presidente do dicastério vaticano responsável pela cultura, dom Claudio Maria Celli, cabeça do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais.

Conforme explica dom Munilla, "o desenvolvimento no mundo das comunicações sociais, no continente europeu, que é profundamente cristão, caminha lado a lado com uma tendência das pessoas a se comportar como se Deus não existisse”. Neste contexto, “a Igreja tem a tarefa de evangelizar a alma do nosso continente, mais necessitado que nunca da verdade do Evangelho".

A reunião acontece a portas fechadas. As celebrações litúrgicas, porém, são abertas ao público.