Eventos para o ano de São Paulo

Fala o coordenador das celebrações do segundo milênio do apóstolo dos povos

| 753 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 8 de outubro de 2007 (ZENIT.org).- O Ano de São Paulo começará em Roma no dia 28 de junho de 2008 e concluirá a 29 de junho de 2009. Será como um pequeno Jubileu para recordar e celebrar o segundo milênio do apóstolo dos povos.



Com esta ocasião, a Igreja Católica prepara um programa de acontecimentos extraordinários no âmbito do ecumenismo, liturgia, oração, arte, história, arqueologia, pastoral e peregrinações.

Para aprofundar e conhecer o programa deste evento, Zenit entrevistou o padre Olivier Plichon, coordenador do Ano Paulino e colaborador do cardeal Andrea Cordero Lanza di Montezemolo, arcipreste da Basílica de São Paulo Fora dos Muros.

Plichon relata que, quando o cardeal Cordero apresentou a idéia à Secretaria de Estado, o cardeal Angelo Sodano a expôs imediatamente ao Santo Padre, que a acolheu com vivo interesse e deu disposições para determinar as datas de início e fim do Ano Paulino.

«Não sabemos exatamente em que ano nasceu São Paulo – explica o padre Plichon. Mas os especialistas dizem que a data cai entre o ano 5 e 10, depois de Cristo. É, portanto, um pequeno Jubileu pelo segundo milênio do nascimento de São Paulo».

Como indicou Bento XVI, na oração das Vésperas da Basílica papal de São Paulo Fora dos Muros, por ocasião da festa de São Pedro e São Paulo, o acontecimento terá um caráter eminentemente ecumênico.

A Basílica de São Paulo atualmente acolhe uma média dentre 12.500 peregrinos por dia.

Para facilitar a organização das viagens e difundir o conhecimento do programa paulino, se preparam dois sites na internet. O primeiro, dentro do portal do Vaticano, semelhante ao que já existe sobre a Basílica de Santa Maria Maior; o segundo, apresentará a história da Basílica de São Paulo Fora dos Muros, a vida de São Paulo e todos os possíveis contatos.

No site específico do Ano Paulino, encontrar-se-á o programa geral, vídeos do Papa na Basílica, e será possível fazer reservas etc. Este segundo site estará conectado com a Obra Romana de Peregrinações em sua parte técnica, ou seja, viagens, hotéis, etc., e deverá estar no ar neste mês de outubro.

O programa apresenta cinco grandes linhas.

A primeira inclui o programa religioso geral. Quanto a cerimônias pontifícias, o Papa deverá estar presente na abertura e encerramento do Ano Paulino. Na Basílica, à esquerda da grande porta central, abrir-se-á a Porta Paulina.

O padre Plichon explica que, «para a Igreja Católica, o óleo simboliza a oração da comunidade que alimenta a chama de amor para Deus». À luz desta consideração, pensou-se em situar no pórtico um lampadário com múltiplas chamas, alimentado pelos monges, que o acenderão pela manhã e o apagarão após as vésperas.

Os peregrinos poderão adquirir ampolas de cera líquida para alimentar esta chama. Também se porá à disposição dos fiéis pequenas lâmpadas, também alimentadas com cera líquida, que se poderão levar para casa e, ao acendê-las, abrir um vínculo simbólico com a chama da Basílica.

Tal iniciativa se poderá estender a outras comunidades cristãs nos lugares que marcaram a vida de Paulo: Tarso, Éfeso, Malta, e convidar os delegados destas comunidades à cerimônia de abertura do Ano Paulino.

A segunda parte do programa se dedicará ao aspecto litúrgico e ecumênico.

Todas as terças e quintas-feiras pela tarde se celebrará uma liturgia especial em São Paulo. Cada peregrino poderá passar através da Porta Paulina, adquirir o óleo para o braseiro, visitar a Basílica, rezar no túmulo e junto às correntes de São Paulo, confessar-se, comungar, participar da missa e do ofício de vésperas para receber a indulgência plenária.

Será possível ir à área da reconciliação, com confessores em seis idiomas: italiano, espanhol, francês, inglês, alemão e português.

Na nave esquerda da Basílica, está prevista uma área expositiva, com uma mostra sobre as viagens e cartas de São Paulo, escavações, história da Basílica, selos comemorativos, etc.

Haverá algumas jornadas especiais, relacionadas com as moradias e o ideal missionário de São Paulo. Está-se pensando em uma jornada para as paróquias romanas. Especialmente importante será a Semana para a Unidade dos Cristãos.

A terceira linha do programa abarca os aspectos cultural e artístico.

Durante o Ano Paulino, se organizará um ciclo de conferências que abordarão os aspectos exegético, histórico teológico e filosófico da vida e obras de São Paulo.

Estão previstos também doze encontros de divulgação para o grande público.

No domingo pela manhã, durante a missa, haverá uma homilia especial de um cardeal.

Se organizarão concertos. No Domingo de Páscoa, está prevista a Sinfonia n. 2, «A Ressurreição», de Gustav Mahler, dirigida pelo mestre Zubin Mehta, enquanto que para a Abertura do Ano Paulino será interpretado «O Messias», de Haendel (Orquestra de Mozart), dirigida por Lorin Maazel.

Para os peregrinos, se elaborará um itinerário paulino por todos os lugares de Roma relacionados com a vida de São Paulo ou sua recordação; em especial, a própria Basílica, a de São Pedro, a igreja de São Paulo – onde muito provavelmente residiu Paulo –, a Basílica das Três Fontes – onde conta a tradição que São Paulo foi decapitado –, as igrejas dos santos Cosme e Damião, Santa Prudência, Santa Prassede – onde são visíveis os mosaicos que representam São Paulo –, São Pedro in Vincoli – onde se conservam as correntes de São Pedro.

O itinerário paulino se poderá percorrer a pé ou de ônibus, segundo acordos com as empresas de transporte.

A Obra Romana de Peregrinações está avaliando a possibilidade de organizar um cruzeiro pelos lugares visitados por São Paulo.

Para os jovens, se pensa em uma peregrinação entre as basílicas de São Pedro e São Paulo, com um percurso pelas margens do rio Tibre, com momentos de meditação e oração.

Por último, o final do programa tem a ver com os aspectos de comunicação e editoriais.

Se editará um novo tríptico da Basílica, e se avalia a publicação de um boletim mensal com as notícias do Ano Paulino.

O Vaticano está preparando a emissão de um selo e uma medalha comemorativa.

Para promover o conhecimento de São Paulo, estão-se contatando algumas casas editoriais para a publicação de livros dedicados às crianças e uma nova edição das Cartas do Apóstolo dos Povos e dos Atos dos Apóstolos.

Os monges beneditinos prepararão a «Lectio Divina» sobre os 87 capítulos das Cartas de São Paulo.