Falece sacerdote vítima da perseguição contra cristãos na Índia

O Pe. Bernard Digal foi barbaramente golpeado em 25 de agosto

| 1320 visitas

NOVA DÉLI, quinta-feira, 30 de outubro de 2008 (ZENIT.org).- Nesta quarta-feira faleceu o primeiro sacerdote vítima da perseguição contra os cristãos que se vive na Índia, em particular, no Estado de Orissa. Trata-se do Pe. Bernard Digal, da arquidiocese de Cuttack-Bhubaneshwar, em Orissa, que foi brutalmente golpeado por extremistas violentos hindus em 25 de agosto.

Ele faleceu no hospital por causa das graves lesões sofridas na cabeça e em todo o corpo. 

O Pe. Mrutyunjay Digal, sacerdote da mesma arquidiocese e secretário do arcebispo local, Dom Raphael Cheenath, deu a notícia à agência missionária da Santa Sé «Fides», definindo-o como «um momento de luto, de silêncio e de oração por toda a Igreja local». 

O Pe. Bernard, de 45 anos, foi internado no hospital de Chennai, em Tamil Nadu, para ser submetido a uma delicada intervenção cirúrgica na cabeça. Contudo, seu corpo não resistiu aos traumas recebidos. 

«Durante sua vida, o Pe. Bernard mostrou determinação e valentia para testemunhar e morrer por Cristo. Morreu como autêntico cristão, e imediatamente depois da agressão sofrida, perdoou seus inimigos e perseguidores», explicou o sacerdote de sua arquidiocese. 

«A todos os seus entes queridos se dirigem nosso afeto e nossas orações, para infundir força e ânimo neste momento de dificuldade», acrescentou, informando que na cabeceira do leito de morte do Pe. Bernard estava Dom Cheenath, que lhe deu as últimas palavras de consolo e o acompanhou no trânsito com a oração. 

O Pe. Bernard é o primeiro sacerdote católico que morre na campanha de violência anticristã. Segundo algumas organizações cristãs indianas citadas pela Fides, os mortos por causa da violência contra os cristãos são aproximadamente 100, enquanto são milhares os feridos e continuam as matanças, freqüentemente escondidas. 

Cerca de 15 mil cristãos estão ainda em campos de refugiados, e cerca de 40 mil fugiram para a selva ou a outros lugares, aterrorizados por grupos de extremistas hindus.