Federico Caffè: "Quanto custa a recuperação global?"

Um artigo de 10 de maio de 1975, do economista italiano misteriosamente desaparecido

Roma, (Zenit.org) | 537 visitas

Na noite entre 14 e 15 de abril de 1987, o economista italiano Federico Caffè desapareceu misteriosamente, aos 73 anos de idade [ele foi oficialmente declarado morto em 30 de outubro de 1998, ndr]. Professor de Política Econômica e Financeira desde 1956 na Faculdade de Economia e Comércio de Roma, ele ajudou a formar importantes economistas e banqueiros que atualmente detêm posições de prestígio no país e no continente, como Mario Draghi (presidente do Banco Central Europeu) e Ignazio Visco (presidente do Banco da Itália).

A editora Castelvecchi reuniu no livro "Contra os encapuzados das finanças" todos os artigos escritos por Caffè nos jornais Il Messaggero, de Roma, entre 1974 e 1986, e L’Ora, de Palermo, de 1983 a 1987.

Pretendemos publicar na íntegra alguns artigos que tratam de trabalho, insegurança no emprego e salários, devido à sua extraordinária atualidade.

Começaremos, hoje, com o texto do dia 10 de maio de 1975, publicado em Il Messaggero com o título "Quanto custa a recuperação global?"

***

Alguns meses atrás, um importante semanário econômico de reputação e circulação internacional, o The Economist, examinou cuidadosamente que perigos havia de que o mundo rumasse para uma crise de proporções similares à de 1929.

As considerações, embora sublinhassem as diferenças radicais entre os contextos econômicos dos anos trinta e os de hoje, eram essencialmente pessimistas. Mais recentemente, a mesma revista apresentou a problemática do próximo boom global, que já estaria à vista e que envolveria o risco de fugir ao controle, no sentido de se transformar num sobreaquecimento generalizado e numa acentuação das pressões inflacionárias.

Não muito diferentes da economia mundial, que parece mover-se em direção a um período de alternâncias próximas entre rápidas expansões e drásticas contrações, com as conseguintes políticas de freio-aceleração, também as opiniões dos inquisidores do futuro imediato estão sujeitas a fases de pessimismo e de otimismo.

Já nas notas econômicas deste mesmo jornal, aliás, foi devidamente observado, no tocante aos assuntos econômicos do nosso país [a Itália, ndr], que atualmente prevalece a tendência positiva.

É claro que devemos esperar que as coisas se encaminhem para o seu melhor. Mas faríamos muito bem se não perdêssemos de vista os custos a ser pagos para que o mundo chegue até a sua esperada recuperação, nem os elementos perturbadores que continuarão operando mesmo quando a recuperação se firmar.

Em primeiro lugar, a opção pela moderação da inflação, ainda que à custa de um aumento do desemprego, levou mais uma vez, na história do capitalismo moderno, à aceitação de uma enorme falange de desempregados. Dizer que esta falange, no mundo industrializado, atingiu a magnitude de dez milhões de unidades envolve uma subavaliação deliberada e imotivada. Parece que o destino das novas levas de trabalho que surgem no mercado é o de ser negligenciadas a tal ponto (infelizmente, pelos próprios sindicatos) de não entrarem nem mesmo no cálculo dos “efetivos” desempregados.

Em segundo lugar, a ênfase excessiva dada à questão dos fluxos financeiros (lavagem de dinheiro, petrodólares e afins) teve os seus custos, dentro das economias particulares, ao determinar desacelerações mais bruscas do que seria estritamente necessário, mesmo em se levando em consideração a necessidade imperativa do reequilíbrio externo.

A política econômica, para libertar-se da impulsividade e tender à racionalidade, exige uma avaliação razoável dos tempos, dos modos e da intensidade das intervenções. Não pretendemos que isto deva ser conseguido com “dosagens refinadas”, que, é preciso ter a humildade de reconhecer, fazem parte, hoje, das compreensíveis ambições dos responsáveis ​​pelas decisões de política econômica, mas não estão entre as suas possibilidades concretas. As cartas de navegação entre os perigos da inflação e a tragédia do desemprego (incluindo aqui a marginalização, a precariedade de trabalho e os subempregos) ainda são incertas e confusas, e, inevitavelmente, age-se, em imensa medida, por tentativa e erro.

Que esses erros, porém, devam sistematicamente resultar em níveis de atividade inferiores aos que são possíveis, mesmo em condições nas quais esses níveis não devam ser freados, significa não perceber que, entre todos os "desajustes", o mais grave é aquele em que pode incorrer o sistema em si.

Para que isto não pareça sem valor para os trabalhadores estagnados, para os desempregados, para as novas levas de trabalho (e obviamente, para as famílias), devemos recuperar o ensinamento que apontava, na incapacidade de oferecer oportunidades de trabalho suficientes e nas desigualdades de distribuição (dois fenômenos significativamente conexos), os males insidiosos dos sistemas econômicos em que vivemos.