Férias de Bento XVI em Castel Gandolfo: oração, passeios e livros

Poderia começar a escrever duas novas obras

| 1397 visitas

CASTEL GANDOLFO, quinta-feira, 8 de julho de 2010 (ZENIT.org) - Bento XVI passou seu primeiro dia de férias de verão na residência pontifícia de Castel Gandolfo, a cerca de 30 quilômetros de Roma.

Ao chegar, na tarde de ontem, a esse lugar de tranquilidade para os papas desde a época de Urbano VIII, Bispo de Roma de 1623 a 1644, disse aos fiéis reunidos: "Queridos amigos, nesta tarde começam as minhas férias e estou feliz por estar convosco, cercado pela beleza da criação e da história e pela vossa simpatia e amizade. Obrigado de todo coração, abençoo todos. Boa tarde e boa semana. Obrigado pela vossa presença e amizade".

O Papa permanecerá no palácio apostólico - ao invés de ir às montanhas do norte da Itália, como havia feito nos anos anteriores - até o final de setembro, interrompendo sua estadia com duas visitas apostólicas: no dia 5 de setembro, a Carpineto Romano (na província de Roma); e de 16 a 19 de setembro, ao Reino Unido.

Desfrutando da companhia do seu irmão, Pe. Georg, vindo da Baviera, o Pontífice aproveitará estas duas semanas para passear pelo jardim, rezando o terço, às vezes na companhia dos seus secretários, Pe. Georg Gaenswein, da Alemanha, e Pe. Alfred Xuereb, de Malta.

A presença em Castel Gandolfo lhe permitirá dedicar um amplo tempo à leitura e começar a escrever novas obras.

Em sua viagem a Sulmona, no domingo passado, ao almoçar com os bispos de Abruzos, o Papa antecipou que pretende dedicar-se a escrever um novo livro sobre a infância de Jesus. Ele já terminou o segundo volume de "Jesus de Nazaré", que atualmente se encontra em tradução.

Os jornalistas que acompanham o Papa também discutiam nestes dias sobre a possibilidade de que comece a escrever uma quarta encíclica sobre a fé, depois das outras duas dedicadas às virtudes teologais: o amor (Deus caritas est) e a esperança (Spe salvi).

Na vila pontifícia, colocou-se um piano de cauda para que o Papa possa interpretar peças do repertório clássico que tanto ele como seu irmão sacerdote apreciam particularmente, começando por Mozart.

O Papa também receberá a visita dos seus amigos, entre os quais se encontra seu secretário de Estado, cardeal Tarcisio Bertone, quem também lhe informará sobre questões importantes da vida da Igreja.

O próximo encontro público do Papa será no próximo domingo, 11 de julho, ao meio-dia, quando peregrinos do mundo inteiro se reunirão no pátio da residência pontifícia para rezar a oração mariana do Ângelus. As demais audiências públicas foram canceladas. A próxima audiência geral do Papa será no dia 4 de agosto.