Feto não é “parte” do corpo da mulher, está implantado nela

Diz o colunista José Manuel Moreira, professor universitário

| 806 visitas

LISBOA, terça-feira, 6 de fevereiro de 2007 (ZENIT.org).- «Quando se diz que o feto é “parte” do corpo da mãe, é falso, porque não é parte: está “alojado” nela, melhor, implantado nela (nela e não meramente no seu corpo).»



É o que afirma José Manuel Moreira, professor universitário e membro da Mont Pélérin Society, em artigo publicado no «Diário Econômico» dias passados.

Segundo o colunista, há diversas formas de entrar no debate sobre a despenalização do aborto. Ele afirma preferir adentrar pela visão antropológica, fundada na mera realidade do homem tal como se vê, vive e se compreende a si mesmo.

«Trata-se da distinção decisiva entre “coisa” e “pessoa”, que se revela no uso da língua. Em todas as línguas há uma distinção essencial: entre “que” e “quem”, “algo” e “alguém”, “nada” e “ninguém”», afirma.

«Se entro numa casa onde não há nenhuma pessoa, direi: “não há ninguém”, mas não me ocorrerá dizer: “não há nada”, porque pode estar cheia de móveis, livros, lustres, quadros.»

O que tem isto a ver com o aborto?, pergunta o colunista. «Muito. Quando se diz que o feto é “parte” do corpo da mãe, é falso, porque não é parte: está “alojado” nela, melhor, implantado nela (nela e não meramente no seu corpo). Uma mulher dirá: “estou grávida”, nunca “o meu corpo está grávido”. Uma mulher diz: “vou ter um filho”; não diz: “tenho um tumor”.»

Para o professor Moreira , «a pergunta a referendar, ao usar, em vez de aborto provocado, “interrupção voluntária da gravidez”, não só abusa da hipocrisia como se esconde sob a capa de despenalização».

«Os advogados do sim não gostam da comparação, mas com isto os partidários da pena de morte vêem as dificuldades resolvidas. Podem passar a chamar à tal pena – por forca ou garrote – “interrupção da respiração” (e também são só uns minutos).»

«Há ainda as 10 semanas, como se para a criança fizesse diferença em que lugar do caminho se encontra ou a que distância, em semanas ou meses, da sua etapa da vida que se chama nascimento será surpreendida pela morte», escreve.

Segundo o professor, «o mais estranho é que para os progressistas o aborto é visto como sinal de progresso, enquanto a pena de morte é de atraso. Dantes denunciavam a “mulher objeto”, agora querem legitimar a criança-objeto, a criança-tumor, que se pode extirpar, em nome do “direito de dispor do próprio corpo”».

«O direito (com bons propósitos) serve para nos impedir de entender “o que é aborto”. Por isso se mascara a sua realidade com fins convenientes ou pelo menos aceitáveis: o controle populacional, o bem-estar dos pais, a situação da mãe solteira, as dificuldades econômicas, a conveniência de dispor de tempo livre, a melhoria da raça», afirma.