"Filho de Deus": uma carteira de identidade que ninguém pode nos tirar

Homilia em Santa Marta: Papa Francisco nos lembra que, graças ao sacrifício amoroso de Cristo, ganhamos a filiação divina e o perdão dos pecados

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Salvatore Cernuzio | 1078 visitas

 "Nome? Filho de Deus. Estado Civil? Livre!". Se podemos nos orgulhar desses dados em nossa "carteira de identidade" de cristãos, é graças a Jesus Cristo, que nos salvou. A homilia do papa Francisco na missa de hoje se destaca pela originalidade com que ele transmite a mensagem que, basicamente, é a mesma de todos os dias: a infinita misericórdia de Deus.

Na missa concelebrada com o cardeal indiano Telesphore Placidus Toppo, arcebispo de Ranchi, o Santo Padre focou no evangelho do dia, que narra a cura milagrosa de um paralítico por Jesus. Em particular, as palavras iniciais de Cristo, de acordo com o pontífice, são a chave de toda a passagem: "Coragem, filho, os teus pecados estão perdoados".

A frase irrita os escribas, que se queixam e o acusam de blasfêmia, "porque só Deus pode perdoar os pecados". Talvez, até mesmo o paralítico, disse o papa, continua "desconcertado", porque o que ele desejava “era ser curado fisicamente”. Jesus, porém, realiza de fato o milagre e cura o homem também no corpo. Mas, no fundo, "as curas, o ensinamento, as palavras fortes contra a hipocrisia, eram apenas um sinal de algo mais que Jesus estava fazendo": perdoar os pecados.

Este é o "milagre mais profundo", disse Francisco: "Essa reconciliação é a recriação do mundo. Esta é a missão mais profunda de Jesus. A redenção de todos nós, pecadores...". Cristo faz esse milagre não "com as palavras", nem "com gestos", nem "caminhando pela estrada", disse Bergoglio. Ele "faz isto com a sua carne. É Ele, Deus, quem se torna um de nós, homem, para nos curar por dentro, a nós, pecadores". Ele nos liberta do pecado tomando sobre si próprio "todo o pecado”, afirmou.

Jesus "desce da sua glória e se abaixa até a morte e morte de cruz". Mas é precisamente esta "a sua glória" e, ao mesmo tempo, "a nossa salvação". "Este é o maior milagre", disse o pontífice, através do qual Jesus "nos torna filhos, com a liberdade dos filhos".

Em virtude desse gesto de amor divino infinito, "nós podemos dizer ‘Pai’", e dizê-lo "com uma atitude tão boa e tão bela, com liberdade!". "Nós, escravos do pecado", ressaltou o papa, estamos livres graças a Jesus Cristo. Fomos curados "no profundo da nossa existência".

"Pensar nisso nos fará bem, pensar no maravilhoso que é ser filho! É tão linda a liberdade dos filhos, porque o filho está em casa e Jesus nos abriu as portas de casa... Agora nós estamos em casa!", disse Bergoglio. Este fato esclarece as palavras já citadas no evangelho de hoje: "Coragem, filho, teus pecados estão perdoados". “Essa”, disse o papa, “é a raiz da nossa coragem. Eu sou livre, eu sou filho... O Pai me ama e eu amo o Pai".

A graça a pedir hoje é a de "compreender bem essa obra" de Deus, que "reconciliou consigo o mundo em Cristo, confiando-nos a palavra da reconciliação" e a graça "de levar adiante, com força, com a liberdade dos filhos, a palavra da reconciliação". "Nós fomos salvos em Jesus Cristo", concluiu o Santo Padre, e "ninguém pode nos roubar essa carteira de identidade. Eu me chamo assim: Filho de Deus! Que bela carteira de identidade! Estado civil: livre!".