Formação dos padres terá maior preocupação missionária, diz cardeal

Sacerdotes deverão levar essa mística aos fiéis, comenta Dom Odilo

| 1775 visitas

SÃO PAULO, segunda-feira, 4 de maio de 2009 (ZENIT.org).- O arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Scherer, considera que a “preocupação missionária” é um aspecto novo das diretrizes da formação presbiteral no Brasil, documento aprovado em assembleia plenária da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) na semana passada.

O arcebispo explicou a Zenit na quinta-feira passada que essa preocupação missionária “perpassa do começo ao fim o documento das diretrizes” –texto que segue para aprovação da Santa Sé antes de ser publicado oficialmente.

O cardeal Scherer destacou que, segundo as novas orientações, “os padres devem ser os primeiros discípulos-missionários e formadores de outros discípulos-missionários”.

Ser um padre missionário, por exemplo, na arquidiocese de São Paulo, é, segundo o cardeal, “ser padre que está a serviço do povo integralmente, que está preocupado com todos”.

O sacerdote deverá se preocupar “não simplesmente com aqueles que se aproximam da Igreja”. Mas também “com aqueles que estão longe da Igreja, católicos que não frequentam; e ainda outros, porque a Igreja tem a missão de levar o Evangelho a todos”.

Portanto –segundo Dom Odilo–, é uma atitude de “sair ao encontro”. “Não simplesmente fazer uma pastoral de manutenção, de conservação. Mas desenvolver uma pastoral que tenha sempre mais uma preocupação missionária”.

“E, por isso mesmo, formar também a comunidade nesse sentido. A começar pelos pais, para que eduquem na fé os seus filhos, que não deixem de batizá-los e levá-los à Igreja.”

“Todos devem estar preocupados de estar sempre levando consigo o desejo, o ardor, a alegria de comunicar o Evangelho de Cristo”, disse o arcebispo.

“Cada um ao seu modo, os pais com os filhos, os catequistas no seu trabalho, o jovem com os jovens, as organizações pastorais através das suas competências próprias, os leigos nos seus espaços de vida, no trabalho, na sua atuação na sociedade”, afirmou.